Clique e assine a partir de 8,90/mês

Bali: tribunal rejeita apelação de britânica condenada por tráfico

Lindsay Sandiford foi condenada à morte. Ela poderá recorrer à Suprema Corte

Por Da Redação - 8 abr 2013, 20h55

Uma corte da Indonésia rejeitou o pedido de apelação de Lindsay Sandiford, britânica de 56 anos condenada à morte por traficar 4,8 quilos de cocaína para o país. A defesa tem 14 dias para recorrer da decisão à Suprema Corte do país, informou o jornal britânico The Guardian.

O governo da Grã-Bretanha lamentou a decisão e reiterou sua oposição contra a pena de morte por meio de um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. “A Grã-Bretanha se opõe à pena de morte e tem repetidamente feito apelos ao governo da Indonésia sobre o assunto. Nós continuaremos provendo assistência consular nessa hora difícil”.

Em maio do ano passado, Lindsay foi presa no aeroporto internacional de Bali, uma das ilhas da Indonésia, depois de a polícia achar a droga escondida no forro de sua mala na chegada de seu voo vindo de Bangcoc, Tailândia. A bagagem foi avaliada em 2,5 milhões de dólares. Lindsay, que estava em contato com uma rede integrada por três britânicos e um indiano, foi condenada em janeiro deste ano por um tribunal da Indonésia. O país é conhecido por ter uma das leis mais rígidas do mundo contra tráfico de drogas.

Os três outros britânicos também foram condenados. Julian Ponder, 43 anos, foi preso em janeiro e condenado a 6 anos. Ele também foi condenado a pagar uma multa equivalente a quase 200.000 reais por posse de cocaína. Rachel Dougall, 38 anos, foi condenada a um ano de prisão, e Paul Beales, residente no Bali há anos, recebeu uma sentença de quatro anos de prisão por posse de haxixe.

Caso a execução imposta a Lindsay seja mantida pela instância máxima da Justiça no país, a única forma de a britânica escapar da pena será a clemência do presidente Susilo Bambang Yudhoyono. Desde que assumiu a presidência, em 2004, ele já comutou a sentença de quatro condenados por tráfico que estavam no corredor da morte.

Continua após a publicidade
Publicidade