Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bahrein e Israel assinam acordo de paz intermediado por Trump

O país se torna a segunda nação árabe a normalizar as relações com os israelenses em menos de 30 dias, após os Emirados Árabes Unidos

Por Da Redação Atualizado em 11 set 2020, 16h37 - Publicado em 11 set 2020, 16h34

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira, 11, um “acordo de paz” entre Israel e Bahrein. É o segundo país árabe a estabelecer relações diplomáticas com o país hebreu. No dia 13 de agosto, os Emirados Árabes Unidos, por intermédio do presidente americano, também assinaram um acordo de paz.

“Outra conquista histórica hoje! Nossos grandes amigos Israel e Bahrein firmaram um acordo de paz – o segundo país árabe a fazer pazes com Israel em 30 dias”, escreveu Trump no Twitter.

Na próxima terça-feira, o mandatário americano será o anfitrião da assinatura do tratado entre as autoridades de Israel e Emirados Árabes, na Casa Branca. Em vídeo divulgado após o anúncio de Trump, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, comemorou o acordo com o Bahrein.

“Investimos na paz durante muitos anos e, agora, a paz investirá em nós. Isto levará a grandes investimentos na economia israelense, o que é muito importante. Esta é uma nova era de paz. Paz em troca de paz, economia em troca de economia”, comentou Netanyahu, ao antecipar que haverá mais acordos como este.

Continua após a publicidade

Trump também publicou um comunicado no qual, junto ao rei do Bahrein, Hamad bin Khalifa, e a Netanyahu, acordaram o estabelecimento de laços diplomáticos.

“Isto é um marco histórico rumo à paz no Oriente Médio. A abertura de um diálogo direto e de relações entre duas sociedades dinâmicas e economias avançadas continuará a transformação positiva do Oriente Médio e aumentará a estabilidade, a segurança e a prosperidade na região”, informa a nota.

Como outros Estados árabes, o Bahrein sempre apoiou as reivindicações palestinas de terras e direitos, e por isso não mantinha relações estáveis com Israel, No ano passado, porém, participou do lançamento do plano de paz entre Israel e os palestinos, criado pelo governo Trump.

Os Estados Unidos agradeceram ao reino árabe pela organização do fórum econômico “Paz para a Prosperidade” em junho de 2019, em Manama, “para progredir na causa da paz, dignidade e oportunidades econômicas para o povo palestino”.

O comunicado acrescenta que “as partes continuarão os esforços para chegar a uma resolução justa, global e duradoura para o conflito palestino-israelense que permita que o povo palestino alcance seu potencial completo”.

O fórum, organizado conjuntamente pelos Estados Unidos e Bahrein, propôs impulsionar o desenvolvimento econômico da Palestina, mas rejeitou abordar aspectos políticos do conflito. A inciativa foi criticada por representantes civis e ONGs nos demais países árabes, além de não ter contado com representação palestina e de ter ganhado pouca relevância entre a opinião pública israelense.

Com o anúncio desta sexta-feira, o Bahrein se torna o quarto país árabe a estabelecer relações diplomáticas plenas com Israel, após Emirados Árabes, Egito, em 1979, e o Reino da Jordânia, em 1994.

(Com EFE)

  • Continua após a publicidade
    Publicidade