Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aviões de combate da Otan interceptam aeronaves da Rússia

Segundo reportagem do jornal 'Financial Times', aeronaves da Otan tiveram de conduzir interceptações de emergência em mais de 250 ocasiões esse ano na Europa

Aviões de combate da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em uma missão de policiamento do espaço aéreo, interceptaram 22 aeronaves russas na última semana, divulgou nesta sexta-feira o jornal Financial Times (FT). Ao todo, as aeronaves da Otan tiveram de conduzir interceptações de emergência em mais de 250 ocasiões esse ano na Europa, informaram oficiais da organização para o FT. Este foi o maior número de casos em um período equivalente desde o fim da Guerra Fria.

A missão da Aliança de Policiamento do Espaço Aéreo Báltico conduziu 120 destas interceptações. Em todo o ano passado, foram registrados 400 desses casos – dado que, segundo o Financial Times, a Otan vê como um crescimento no número e na seriedade das provocações aéreas da Rússia. “No ano passado, a atividade aérea russa perto das fronteiras da Otan aumentou em quantidade e em complexidade”, disse um oficial. “As aeronaves da Rússia geralmente voam sem os transponders ligados, sem divulgar planos de voo e sem comunicar-se com autoridades do tráfico aéreo”, comentou.

Leia também

Rússia veta resolução da ONU para investigar avião derrubado na Ucrânia

UE prorroga extensão de sanções econômicas à Rússia até 31 janeiro de 2016

De olho na Rússia, EUA podem enviar seus caças mais modernos à Europa

O desligamento dos transponders não permite que os satélites terrestres e outras aeronaves façam a identificação automática dos aviões que voam com o sistema. Por causa disso, a Agência de Segurança Aérea da Europa – uma instituição civil, sem ligação com a Otan – declarou em abril que os voos da Rússia representam um “grande risco” para a aviação comercial.

Segundo a reportagem do FT, em janeiro, a Grã-Bretanha convocou o embaixador russo em Londres para dar explicações, após aviões com capacidade nuclear interromperem o tráfico aéreo civil na região. Em outubro passado, a Otan foi obrigada a enviar aviões de combate para diversas localidades por um período de 48 horas em resposta a “manobras militares” na fronteira do espaço aéreo da organização.

(Da redação)