Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Avião da AirAsia voava com copiloto no comando quando caiu

Segundo as autoridades que investigam o acidente, a queda durou três minutos e a aeronave realizava uma manobra para fugir de uma grande tempestade

Por Da Redação 29 jan 2015, 07h31

As autoridades indonésias que investigam o acidente com o avião da AirAsia informaram nesta quinta-feira que o copiloto estava no comando quando a aeronave caiu no Mar de Java com 162 pessoas a bordo. Segundo o Comitê Nacional para a Segurança no Transporte da Indonésia, pouco antes da queda, o avião Airbus 320 tentava realizar uma manobra para evitar uma grande tempestade.

A queda durou três minutos e o piloto supervisionava o copiloto, informou o comitê, com base nos dados preliminares das caixas-pretas do avião. O órgão responsável pelo transporte aéreo civil da Indonésia também assinalou que o Airbus estava em boas condições quando saiu da cidade de Surabaia em direção a Singapura.

Leia também

Indonésia suspende operação de resgate de avião da AirAsia

Mergulhadores recuperam corpos perto de fuselagem de avião da AirAsia

Continua após a publicidade

Avião da AirAsia subiu em velocidade excessiva antes de cair

O chefe da investigação do comitê, Mardjono Siswosuwarno, assegurou que o registro de voo permite ter uma “ideia muito clara” dos últimos minutos antes do acidente, mas evitou dar uma explicação detalhada das causas que derrubaram o avião. Segundo Siswosuwarno, a aeronave voava a uma altura estável e dentro dos limites de peso e equilíbrio quando o piloto pediu para subir de 32.000 para 38.000 pés ao se deparar com uma tempestade que atingia os 44.000 pés.

Depois de obter a permissão para subir, o avião virou à esquerda para atingir 37.400 pés e, 30 segundos depois, depois voltou a descer para 32.000. Depois de retornar à sua altitude inicial, o avião começou a cair. As Forças Armadas suspenderam na terça-feira os trabalhos de recuperação dos destroços do avião e a busca pelos restos mortais de 89 pessoas que ainda não foram recuperados.

(Com agência EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade