Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Avião da AirAsia pode ter pousado antes de afundar

Indícios sugerem que o piloto teria pousado a aeronave no mar e até que alguns passageiros podem ter saído pela porta de emergência antes de o avião afundar, dizem especialistas

Por Da Redação
1 jan 2015, 13h41

O piloto do avião da AirAsia que se encontra no fundo do mar de Java na Indonésia pode ter conseguido pousar a aeronave na água antes que ela afundasse, apontaram especialistas nesta quinta-feira.

O Airbus A320-200 (voo QZ8501) que decolou no domingo na cidade indonésia de Surabaya com 162 pessoas a bordo desapareceu dos radares quando sobrevoava o mar de Java durante uma tempestade, sem pedir socorro ou emitir sinais comuns quando um avião desaparece ou está no fundo do mar.

De acordo com alguns especialistas, estas informações sugerem que o comandante Iriyanto, um experiente ex-piloto da Força Aérea, efetuou uma tentativa de pouso de emergência com um impacto não destrutivo.

Leia também:

Busca do avião da AirAsia é retomada

Avião da AirAsia derrapa e ultrapassa pista de pouso nas Filipinas

“O transmissor de localização de emergência (ELT) teria que funcionar depois do impacto, seja em terra, no mar ou no alto de uma montanha, e minha análise é que não funcionou porque não houve um grande impacto durante o pouso”, declarou à AFP Dudi Sudibyo, redator-chefe da revista de aviação Angkasa. “O piloto conseguiu pousar na água”, afirmou.

Continua após a publicidade

O avião da AirAsia voava a uma altura de 32.000 pés (9.800 metros) quando o piloto pediu à torre de controle permissão para subir a fim de evitar a tempestade. A torre de controle demorou um tempo para dar permissão devido à densidade do tráfego aéreo no momento, mas o Airbus desapareceu das telas dos radares logo depois.

Alguns analistas sugerem que o avião caiu porque voava muito lentamente ou porque subiu de altura de forma brusca. A ausência de sinal de socorro da cabine continua sem explicação.

As equipes de busca trabalharam mais de 48 horas no mar de Java antes de encontrar os primeiros destroços perto da ilha de Bornéu, com a informação de um pescador que havia visto um avião voando baixo e que teria ouvido um forte estrondo.

Continua após a publicidade

Explosão é pouco provável – “As conclusões que se chegaram até agora são que o avião não explodiu no voo e não foi vítima do impacto com a superfície já que, nesse caso, os corpos não estariam intactos”, explicou à AFP o ex-comandante de voo Chappy Hakim.

A fuselagem da aeronave parece estar praticamente intacta, já que os integrantes das operações de busca viram uma “sombra” com formato de avião no fundo do mar.

Objetos que parecem uma porta de emergência e um tobogã inflável para as saídas de emergência estão entre os restos avistados na área de busca, o que indica que os primeiros passageiros podem ter começado a sair da aeronave depois do pouso.

Continua após a publicidade

O ex-ministro dos Transportes, Jusman Syafii Djamal, está convencido de que a porta de emergência encontrada significa que “alguém pode tê-la aberto”. Segundo ele, os passageiros podem ter esperado que um membro da tripulação inflasse um bote salva-vidas antes de serem atingidos por uma forte onda, que teria afundado o avião.

De acordo com os procedimentos padrão, todos os passageiros do avião devem ser evacuados em 90 segundos.

Até que as caixas pretas apareçam, será difícil saber o que aconteceu. Entre outras coisas, elas devem ajudar a responder por que o sinal de localização submarina não funcionou.

Continua após a publicidade

Se os restos do avião forem encontrados, o gravador de voz da cabine deverá detalhar as conversas dos pilotos durante o curto voo e revelar os últimos momentos.

(Com agência AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.