Clique e assine a partir de 9,90/mês

Aviação israelense mata seis palestinos nas últimas 24 horas

Por Said Khatib - 24 ago 2011, 22h11

A trégua entre Israel e os grupos armados palestinos estava seriamente ameaçada após a morte de seis palestinos, em menos de 24 horas, por ataques aéreos israelenses contra a Faixa de Gaza, em resposta a vários disparos de foguetes sobre o território hebreu.

Na última ação de Israel, dois palestinos morreram e outros 20 ficaram feridos na madrugada desta quinta-feira em um ataque aéreo contra a Faixa de Gaza, o que elevou a seis o número de mortos pelo fogo hebreu nas últimas 24 horas na região, informaram fontes médicas.

O ataque ocorreu em Beit Lahiya, no norte da Faixa de Gaza, após vários disparos de foguetes contra o sul de Israel, que não causaram vítimas.

Um terceiro palestino, ferido gravemente em uma ação anterior contra um túnel de contrabando na região de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, também faleceu na madrugada desta quinta-feira.

Continua após a publicidade

Na quarta-feira, outros três palestinos foram mortos pela aviação israelense na Faixa de Gaza, incluindo Atya Moqat, 20 anos, que fazia parte das Brigadas Al-Qods, braço armado da Jihad Islâmica, e outro membro da mesma organização, Ismail al-Asmar, 37, atingido quando circulava de automóvel na região de Rafah, na fronteira com o Egito.

O Exército israelense confirmou ter atacado “uma célula terrorista” que disparou foguetes contra Israel e um “militante filiado à Jihad Islâmica, envolvido no contrabando de armas e atividades terroristas no Sinai” egípcio.

Os ataques são uma resposta aos disparos de foguetes contra Israel, que na quarta-feira atingiram um prédio público e um automóvel, ferindo levemente uma criança, segundo a polícia israelense.

A rádio pública israelense informou a queda de uma dúzia de foguetes em Israel, incluindo dois na região de Beersheba.

Continua após a publicidade

As Brigadas Al Qods dispararam seis tiros de morteiro contra a rodoviária de Kisufim, na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza.

Em um comunicado, o governo do Hamas, no poder na Faixa de Gaza, disse que Israel “violou a trégua” e procura uma “escalada”.

Na segunda-feira, após vários dias de disparos de foguetes palestinos e de ataques israelenses, as principais facções palestinas de Gaza concordaram em cessar sua ação, em troca da suspensão do bombardeio aéreo do Estado hebreu.

O atual ciclo de violência explodiu após uma série de ataques que deixaram oito mortos no sul de Israel, na quinta-feira passada.

Publicidade