Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Autor de massacre em base militar texana é considerado culpado

Nidal Malik Hasan cometeu trezes homicídios e pode ser condenado à morte. Ataque ocorreu em 2009, na base de Fort Hood, no Texas

Por Da Redação
23 ago 2013, 17h55

O militar que matou treze pessoas e deixou dezenas de feridos na maior base militar dos Estados Unidos em 2009 foi considerado culpado nesta sexta-feira. O júri composto por treze militares de alta categoria, deliberou durante quase sete horas até chegar ao veredicto unânime e considerar o major Nidal Malik Hasan culpado por treze assassinatos premeditados e 32 tentativas de homicídio. Hasan, que assumiu a autoria dos crimes, poderá ser condenado à pena de morte. O julgamento agora entra na fase de definição da sentença.

Hassan, de 42 anos, fez sua própria defesa e optou por não arrolar testemunhas. Também não quis se pronunciar quando teve oportunidade, na quinta-feira. Na verdade, demonstrou pouco interesse em apresentar uma defesa. O começo do julgamento estava previsto para março do ano passado, mas foi atrasado diversas vezes, principalmente por uma discussão sobre a barba que Hasan deixou crescer enquanto estava em custódia militar. Apesar da pressão de um juiz para que ele fosse barbeado à força, ficou decidido que ele poderia manter a barba.

Histórico – Em novembro de 2009, o psiquiatra abriu fogo em uma área reservada a soldados na base de Fort Hook no Texas. Enquanto atirava, gritava “Allah akbar!” (“Deus é grande” em árabe). Alvejado por quatro tiros ao ser capturado, ficou paraplégico. Muçulmano nascido nos EUA, primogênito de um casal de imigrantes palestinos, ele disse que realizou o ataque para proteger a liderança talibã no Afeganistão, especialmente seu chefe, mulá Omar.

A biografia de Hasan permitiria que o Exército americano o expulsasse, mas isso não ocorreu (um pedido para deixar a farda foi negado), abrindo espaço para a ação de um terrorista. Não é proibido ser militar e muçulmano ao mesmo tempo, mas ele era um muçulmano cuja crença estava contaminada pela paranoia de que os infiéis – ou seja, todos os outros – são contra o Islã. Abertamente contra a guerra no Iraque e no Afeganistão, dizia que sua lealdade à sharia, o rígido conjunto de leis islâmicas, precedia sua lealdade à Constituição americana. E manteve contato por e-mail com Anwar al-Awlaki, líder espiritual extremista cuja mesquita era frequentada por dois terroristas do 11 de setembro.

Sentença – Os Estados Unidos não executaram nenhum soldado desde 1961. Há outros cinco militares condenados à morte na base de Fort Leavenworth, no Kansas – muitas sentenças de pena de morte a militares foram comutadas em prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.