Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Autópsias na Turquia confirmam uso de armas químicas na Síria

Ataque à província de Idlib causou pelo menos 72 mortes

Por Da redação Atualizado em 6 abr 2017, 16h00 - Publicado em 6 abr 2017, 09h21

Autópsias feitas na Turquia em vítimas do ataque de terça-feira na Síria confirmam o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad. A afirmação foi feita nesta quinta-feira pelo ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, segundo a agência estatal de notícias Anadolu.

“Autópsias realizadas em três corpos transportados de Idlib a Adana (sul da Turquia) revelaram o uso de armas químicas”, disse o ministro, sem revelar os elementos que baseiam a acusação. Bozdag explicou que os exames contaram com a participação de legistas turcos, além de representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

As autópsias, que demoraram quase três horas, de acordo com a Anadolu, foram gravadas com câmeras. Autoridades turcas e a delegação da OMS também recolheram mostras.

Ataque
Ao menos 72 pessoas morreram em um bombardeio na terça-feira na província de Idlib, no noroeste da Síria. Os médicos constataram sintomas de um ataque químico: as vítimas tinham pupilas dilatadas, convulsões e espuma saindo pela boca. Dezenas de feridos estão recebendo atendimento médico na Turquia, país vizinho à Síria.

Continua após a publicidade

A Turquia e outros países, como Estados Unidos, França e Reino Unido, responsabilizaram o regime de Assad pelo ataque. Na quarta-feira, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou Bashar al-Assad, a quem chamou de “assassino”, de ter ordenado o bombardeio.

O governo da Rússia, que apoia Damasco, afirmou na quarta-feira que a Força Aérea síria bombardeou um depósito dos rebeldes que continha “substâncias tóxicas”. Na explosão, as substâncias teriam sido dispersadas, de acordo com a versão russa.

Até o momento, a natureza dos compostos químicos não foi identificada. De acordo com a OMS, sintomas de algumas vítimas podem ter sido provocados pela exposição a uma categoria de produtos “que incluiria agentes neurotóxicos”.

(Com AFP)

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)