Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Austrália executa primeiro ataque aéreo contra EI na Síria

A França vai iniciar ataques aéreos na Síria nas 'próximas semanas'. O ministro francês da Defesa disse que o Estado Islâmico avança e põe em risco a segurança da França

Por Da Redação 16 set 2015, 08h08

A força aérea australiana realizou seu primeiro ataque contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, destruindo um blindado de transporte de tropas dos jihadistas, informou nesta quarta-feira o ministro da Defesa, Kevin Andrews. “Isto faz parte da ampliação do envolvimento australiano na luta contra o EI, para operar não apenas no céu do norte do Iraque, mas também no leste da Síria visando degradar e destruir as forças jihadistas”, declarou o ministro.

O ataque foi executado há dois dias, por um F-18 Hornet da Royal Australian Air Force (RAAF), que destruiu o blindado de transporte de tropas com um míssil, disse Andrews. “Dois dos nossos caças localizaram o blindado de transporte. Após receber autorização para atacar, um dos Hornet utilizou uma arma de precisão teleguiada para destruir o alvo”. As missões da aviação australiana “se realizam na Síria e no Iraque, mas a maioria ocorre no Iraque e com uma frequência muito regular”, acrescentou Andrews. Estados Unidos, Canadá, Turquia e países do Golfo participam da campanha aérea contra objetivos do EI na Síria.

Leia também

Escalada militar na Síria amplia papel da Rússia no Oriente Médio

Em 2012, Ocidente ignorou proposta russa para retirar Assad do poder

Continua após a publicidade

Estado Islâmico toma último campo de petróleo do governo da Síria

França – As Forças Armadas francesas começarão a bombardear alvos do EI na Síria “nas próximas semanas”, anunciou nesta quarta o ministro francês de Defesa, Jean-Yves Le Drian. “Os ataques começarão nas próximas semanas, quando teremos alvos bem identificados que nos permitam realizar os bombardeios que convenham frente ao inimigo, o Estado Islâmico”, disse o ministro.

“Nosso inimigo é o EI. Bashar Assad [ditador que comanda a Síria] é o inimigo de seu povo”, lembrou o titular da Defesa para justificar que os bombardeios sobre a organização terrorista tenham agora também como alvo a Síria, após ter começado no Iraque. O ministro explicou que o Exército francês “está cooperando” com o americano e reconheceu que não existe nenhum tipo de aprovação implícita do regime de Assad para estes voos.

Para o ministro, a situação na Síria “mudou”, já que “há alguns meses, o EI estendeu sua presença sobre Aleppo mas também sobre o eixo entre Damasco e Homs”, o que ameaça também agora o vizinho Líbano. Por isso, a França decide agora atacar o EI no terreno, uma vez que esta organização “forma ali combatentes cuja missão será atacar na França” e que se transforma em uma ameaça direta sobre a segurança nacional.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade