Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Atirador do Oregon era esquisitão que tinha arsenal em casa

Novos detalhes sobre a personalidade do jovem de 26 anos que matou nove pessoas na semana são revelados: além de possuir treze armas, ele se ressentia de não ter namorada e tinha fixação pela supremacia branca

Por Da Redação
3 out 2015, 15h37

O rapaz de 26 anos que protagonizou o mais recente tiroteio dentro de um estabelecimento de ensino nos Estados Unidos possuía um verdadeiro arsenal e se definia como um solitário que se ressentia de não ter namorada e era obcecado por religião e supremacia branca.

Aos poucos surgem mais detalhes sobre a personalidade do agressor que foi morto pela polícia depois de tirar a vida de nove pessoas – cinco mulheres e quatro homens, com idades entre 18 e 67 – ao invadir o campus da Umpqua Community College.

Apesar de seu nome não ter sido oficialmente divulgado pela polícia, a imprensa o identificou como Chris Harper Mercer, que possuía um verdadeiro arsenal em seu poder.

A polícia recuperou treze armas, todas compradas legalmente.

A imprensa afirma que ele sofria de problemas mentais e teria deixado uma declaração de várias págians na qual desabava sobre sua solidão e esclarece que teria se inspirado em assassinatos em massa anteriores.

Continua após a publicidade

“Ele não tinha namorada e estava chateado com isso”, comentou um policial ao jornal The New York Times. “Ele começou a pensar em si mesmo como um perdedor. Não gostava de sua vida, e parecia que nada dava certo para ele”,acrescentou a fonte.

Outro policial disse que o atirador vivia com a mãe, era obcecado por armas e religião e estudava a respeito de temas ligados à supremacia branca.

Os vizinhos descreveram Harper Mercer como um jovem ansioso e taciturno, que todosos dias usava botas militares, calça militar e camiseta branca.

“Não era um tipo de pessoa muito amistosa”, declarou outra vizinha, Bronte Hart. “Não queria se dar com ninguém”.

Continua após a publicidade

Mas sua meia-irmã, Carmen Nesnick, passou uma imagem totalmente diferente, em declarações à rede CBS. “Sempre colocava os outros à frente de si mesmo. Queria que todo mundo fosse feliz”, declarou, assegurando que não era contra a religião de ninguém e que sua família é católica.

Chris Harper Mercer nasceu no Reino Unido antes de mudar-se, ainda criança, para os Estados Unidos, segundo Carmen. O pai do atirador, Ian, declarou-se abalado e evitou falar com a imprensa.

O perfil atribuído a Mercer em uma rede social o descreve como “não religioso, mas espiritual”. A foto do perfil mostra um homem de cabeça raspada, e compleição média, que se apresenta como “amante, conservador, profissional, intelectual, introvertido”.

Segundo um homem que teve a filha ferida, o atirador mandou que os estudantes ficassem de pé se fossem cristãos, antes de disparar contra eles.”Ele disse: ‘Pois bem, se forem cristãos, verão Deus em um segundo'”, contou Stacy Boylan à CNN.

Continua após a publicidade

(com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.