Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Atirador é morto após abrir fogo em hospital de Chicago

Testemunha diz ter visto o agressor disparar inúmeras vezes contra uma vítima caída no chão antes de entrar na recepção

Por Da Redação Atualizado em 19 nov 2018, 23h10 - Publicado em 19 nov 2018, 20h50

Um atirador abriu fogo nesta segunda-feira na recepção do Mercy Hospital & Medical Center, em Chicago, nos Estados Unidos. De acordo com o Chicago Tribune, ele foi morto após ferir pelo menos três pessoas, uma delas um policial. Autoridades locais ainda não confirmaram o total de vítimas.

A polícia realiza buscas na área do hospital para averiguar se há mais envolvidos, segundo a rede de televisão CBS. Os médicos e funcionários foram removidos do estabelecimento. A polícia apela à população para evitar a área.

“Ele (o policial) está em situação crítica, mas recebendo excelentes cuidados. Por favor, rezem por ele”, afirmou o porta-voz da corporação, Anthony Guglielmi. 

À CBS, a testemunha Hector Avitia afirmou que estava dentro do hospital, esperando por resultados de exames feitos por sua mulher, quando um homem vestido com roupas pretas, no estacionamento, abriu fogo inúmeras vezes contra uma pessoa caída no chão.

Continua após a publicidade

Ele contou que houve troca de tiros entre o agressor e um policial, que chegou ao local em um veículo SUV. Avitia disse ainda ter visto o atirador recarregar sua arma, atirar novamente na pessoa caída e entrar no hospital. Ali, ele disparou novamente. O atirador tinha uma pistola semiautomática com muitos pentes de projéteis.

O jornal Chicago Tribune colheu o testemunho de Erix Horton, funcionário da área ambiental do hospital. Ele contou que estava terminando sua jornada de trabalho quando o atirador ingressou na recepção e pelo menos um de seus colegas foi atingido. Todas as pessoas tentaram se proteger, inclusive Horton, em uma sala próxima à de emergência, com tranca especial.

“Uma equipe de bombeiros estava justamente trazendo um paciente para a sala naquele momento”, comentou. “Muita coisa veio à minha cabeça. Como ir para casa e ver minha mulher e meus filhos.”

Outra testemunha, Charlie Wells, disse ao Chicago Tribune que estava na sala de emergência para tratar um ferimento quando ouviu os tiros na recepção. A seu lado estavam cerca de quinze pessoas. Ele se jogou no chão. “Foi um caos. Todos estavam em pânico.”

O prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, e o superintendente da polícia da cidade, Eddie Johnson, estão monitorando os trabalhos da central policial.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)