Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Atentado terrorista contra israelenses deixa pelo menos 4 mortos na Bulgária

Por Da Redação - 18 jul 2012, 14h31

Sófia, 18 jul (EFE).- Pelo menos quatro pessoas morreram e 33 ficaram feridas em um ataque terrorista contra um ônibus com turistas israelenses na cidade búlgara de Burgas, segundo informações do prefeito da cidade, Dimitar Nikolov.

De acordo com as informações dadas por Nikolov, três pessoas morreram ainda no local, enquanto outra faleceu no hospital ao qual havia sido transferida.

Entre os feridos, há quatro que se encontram em estado crítico e duas mulheres grávidas, anunciaram fontes do hospital geral de Burgas.

No momento do atentado, às 17h30 (local, 11h30 de Brasília) cerca de 40 turistas se encontravam no veículo. O fogo atingiu também outros dois ônibus que estavam estacionados no aeroporto da cidade, no leste da Bulgária.

Publicidade

Várias testemunhas ouvidas pela emissora ‘bTV’ relataram que viram um homem correr em direção ao ônibus e lançar algo ao interior do veículo antes da explosão.

‘Todas as pistas levam ao Irã como responsável pelo atentado’, acusou em comunicado o primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que destacou que seu país ‘reagirá com determinação’.

Os ônibus receberiam um grupo de turistas que chegava a Burgas de um voo com 151 passageiros que saiu de Israel, segundo o prefeito. Ainda não foi possível apontar a identidade nem a nacionalidade de todos os turistas, mas entre eles havia um americano e um esloveno. As autoridades fecharam o aeroporto e dirigiram todos os voos para a cidade de Varnas.

O Governo da Bulgária enviou a Burgas equipes de emergência e um banco de sangue, informaram à Agência Efe fontes do Ministério do Interior.

Publicidade

Tanto o primeiro-ministro local, Boiko Borisov, quanto o presidente, Rosen Plevneliev, já viajam para a cidade onde o ataque foi realizado.

Burgas é a segunda cidade mais importante no litoral búlgaro do Mar Negro e nos últimos anos se transformou em um destino de férias muito popular entre os israelenses.

No começo do ano, a imprensa local revelou que as autoridades de Israel haviam advertido as autoridades de Sófia sobre possíveis ataques a turistas no país. EFE

Publicidade