Clique e assine a partir de 8,90/mês

Atentado suicida mata 21 no Afeganistão

Por Strdel - 20 jun 2012, 15h54

Vinte e uma pessoas morreram, inclusive três soldados americanos da Otan, e dezenas ficaram feridas em um atentado suicida praticado nesta quarta-feira no sudeste do Afeganistão e reivindicado pelos talibãs.

Outros soldados americanos ficaram feridos no ataque de um camicase em uma moto que detonou seus explosivos perto de uma patrulha comum das forças afegãs e da Otan na cidade de Khost, segundo o ministério do Interior.

“Três membros da ISAF (Força Internacional de Assistência para a Segurança no Afeganistão) e um intérprete perderam a vida nesta ação condenável”, destacou a fonte em um comunicado.

Os mortos são soldados, declarou à AFP um porta-voz da ISAF.

O balanço nas fileiras afegãs é de 17 mortos e pelo menos 37 feridos, segundo hospitais da região.

“Semelhante desprezo pela vida de civis e soldados demonstra que os talibãs e outros insurgentes continuam sua campanha mortal contra todos, inclusive mulheres e crianças”, denunciou o texto americano.

Continua após a publicidade

Contatados pela AFP, os talibãs reivindicaram a autoria do atentado, nas palavras de um de seus porta-vozes.

Três policiais e oito civis perderam a vida e outras 17 pessoas ficaram feridas na explosão, continuou Amir Padsha, diretor do hospital de Khost.

Babri Gul, diretor do hospital privado de Khost, diz ter recebido no estabelecimento seis cadáveres, quatro deles de uma mesma família, e 20 feridos.

A província de Khost faz fronteira com o Paquistão e suas zonas tribais, refúgio da Al Qaeda e uma das retaguardas dos talibãs afegãos, sobretudo da rede Haqani, muito influente no sudeste do Afeganistão.

Em 2011, mais de 3.000 civis morreram em consequência do conflito no Afeganistão, ou seja, quase tantos quanto soldados da ISAF em mais de dez anos.

Desde 2007, mais de 12.000 pessoas morreram no conflito, destacou a ONU. O número de civis mortos no país em atos violentos diminuiu 21% durante os quatro primeiros meses de 2012, segundo a fonte.

Continua após a publicidade
Publicidade