Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Até Putin admite: ‘foi um erro’ impor o comunismo na Europa

Em sua entrevista coletiva anual, o presidente russo afirmou que 'é preciso reconhecer' que usar a força para impor o modelo soviético no leste europeu não foi uma boa escolha

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h35 - Publicado em 16 abr 2015, 13h11

Demorou, mas até mesmo Vladimir Putin admitiu que impor o comunismo nos países do leste europeu após o fim da II Guerra Mundial foi um erro da Rússia. Acusado por alguns na Europa de ser ambíguo sobre a história soviética, o presidente russo reconheceu nessa quinta-feira que impor “pela força” o modelo socialista em países do leste europeu após a II Guerra Mundial não “foi uma boa ideia”. As declarações de Putin são feitas quando se aproxima o 70º aniversário da vitória da antiga URSS contra a Alemanha nazista. Moscou organiza celebrações com grande pompa para esta data, 9 de maio de 1945, mas a maioria dos líderes ocidentais não comparecerão às cerimônias em razão do conflito na Ucrânia, onde rebeldes apoiados por Moscou buscam a independência no leste do país.

“A escolha [de vir em 9 de maio] pertence a cada líder político. Alguns não querem vir, eu admito, outros não têm autorização” [de Washington] de vir mesmo que muitos desejassem”, ironizou. O presidente russo, que já disse que a queda da URSS foi “a maior tragédia geopolítica do século XXI”, mostrou-se crítico quanto a atitude da URSS de Joseph Stálin logo após o fim da II Guerra. “Após a II Guerra Mundial, tentamos impor nosso próprio modelo aos países do leste europeu, e fizemos isso por meio da força”, declarou o presidente russo, admitindo que “isso não foi uma coisa boa”. “É preciso reconhecer”, insistiu durante sua entrevista coletiva ao vivo anual – feita com perguntas e jornalistas previamente selecionados, claro.

Leia também

‘Motoqueiros de Putin’ planejam cruzar a Europa

TV russa classifica campanha de Hillary Clinton para maiores de 18

Kremlin confirma troca de petróleo por armas com Irã

Continua após a publicidade

O chefe de Estado russo fazia referência ao estabelecimento após a II Guerra Mundial de regimes comunistas nos países do leste europeu, principalmente na República Tcheca, Hungria e Polônia. Por mais de quarenta anos, esses países do bloco socialista foram controlados em maior ou menor medida por Moscou. “Continuamos a sentir o eco” da política soviética da época, considerou Vladimir Putin, ressaltando, contudo, que os Estados Unidos fizeram o mesmo. “Os americanos se comportaram mais ou menos da mesma maneira, tentando impor um modelo em todo o mundo, e eles também vão fracassar”, assegurou Putin.

As tensões entre a Rússia e os ocidentais, que os acusa de envolvimento direto na crise na Ucrânia, reascenderam um velho fantasma sobre o controle da URSS de Stálin sobre os países do leste europeu. Os países bálticos e a Polônia, ocupados no passado pelas tropas soviéticas, temem que a atual guerra na Ucrânia seja o preâmbulo de uma repetição da história. Recentemente, o presidente polonês, Bronislaw Komorowski, considerou que os soviéticos realmente “acabaram com a ocupação hitlerista da Polônia”, mas “não trouxeram liberdade”.

Leia mais

Os próximos passos de Vladimir Putin

Stálin e Hitler – Putin citou a adoção pelo Parlamento da Ucrânia de leis que remontam à memória visando a “dessovietização” do país. Estas leis colocam no mesmo patamar os regimes soviético e nazista e proíbem toda “negação pública” de seu caráter “criminoso”, bem como a produção e utilização pública de seus símbolos – como hino, bandeiras ou a famosa foice e martelo – com algumas exceções. Contudo, Putin considerou que não há razões para colocar o nazismo e stalinismo no mesmo nível. “Ainda que fossem monstruosos do ponto de vista da repressão e das deportações de povos inteiros, o regime stalinista não tinha a intenção de aniquilar a população”, considerou Putin .

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade