Clique e assine a partir de 8,90/mês

Até lá: Deputados japoneses brigam durante sessão plenária

Opositores do projeto que permite que o Exército japonês atue fora do país começaram a empurrar os líderes do governo. O tumulto cresceu e virou uma confusão generalizada

Por Da Redação - 17 set 2015, 09h26

Uma confusão generalizada foi registrada nesta quinta-feira durante uma sessão no Parlamento japonês que debatia mudanças na lei de defesa do país. Os opositores do projeto começaram a empurrar os líderes do governo quando estes quiseram recomeçar a votação da polêmica medida mesmo sem ter consenso. O tumulto cresceu e virou um empurra-empurra com trocas de sopapos e gritaria.

A sessão havia sido interrompida na noite de ontem pela ausência de quórum, e a comissão que lidera as mudanças decidiu remarcar o pleito para esta manhã. Assim que os trabalhos foram iniciados, os opositores cercaram os membros da comissão e começaram o empurra-empurra. As cenas, muito incomuns no local, foram o desfecho de semanas de protestos populares contra a reforma na lei que permite que o governo envie tropas para lutar no exterior, mesmo sem que o conflito possa causar problemas para o Japão.

Leia também

1º de setembro é o dia em que jovens cometem mais suicídio no Japão

Milhares vão às ruas de Tóquio protestar contra militarização do Japão

Premiê japonês se desculpa pelas agressões do Japão na II Guerra

Ontem, cerca de 13.000 pessoas se reuniram no lado de fora do Parlamento para protestar contra o projeto de lei. O medo da população é que a Constituição pacifista japonesa seja atingida. Imposta após a derrota dos japoneses na II Guerra Mundial, ela permite que o país utilize seus militares apenas em caso de autodefesa, impossibilitando sua atuação no exterior. A mudança é defendida pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe, que diz querer a mudança para enfrentar o que chama de ameaças ao território provocadas pela China e pela Coreia do Norte.

Apesar do protesto, horas depois do início dos trabalhos, a comissão da Câmara Alta aprovou a nova lei para que o país faça uma “autodefesa coletiva”, especialmente em conflitos liderados pelos Estados Unidos.

(Com Ansa)

Continua após a publicidade
Publicidade