Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ataques se intensificam antes de eleição na Síria

Oposição e observadores internacionais consideram o pleito uma farsa armada para legitimar a ditadura de Bashar Assad

O ministro da Informação sírio, Omran al-Zoubi, convocou nesta segunda-feira os cidadãos do país a participar da eleição presidencial e chamou o pleito de uma “oportunidade verdadeira” para que expressem sua vontade em meio ao conflito na Síria, que já dura três anos. As declarações de Al-Zoubi, transmitidas pela televisão estatal síria, coincidiram com a intensificação dos ataques em áreas tomadas pelos rebeldes na cidade de Alepo, norte do país, que já deixaram dezenas de mortos e feridos nos últimos três dias. Os bombardeios, mais pesados do que o normal, aparentemente têm como objetivo assustar os eleitores.

Os sírios vão às urnas nesta terça-feira para participar, depois de décadas, da primeira eleição presidencial com vários candidatos realizada no país. O ditador Bashar Assad é um dos três candidatos ao mandato de sete anos, mas a oposição considera a eleição uma piada. A comunidade internacional também avalia que o processo eleitoral só tem o objetivo de tentar legitimar a ditadura de Assad.

Leia também

Síria realiza primeira eleição presidencial com mais de um candidato em décadas

Quase 2.000 civis já morreram em cinco meses de bombardeios em Alepo

Conflitos na Síria deixaram 162 mil mortos, segundo organização

Rebeldes ameaçam prejudicar a votação em áreas controladas pelo governo. Milhares de pessoas já fugiram da cidade de Idlib, no noroeste, por medo de ataques. A explosão de um carro-bomba matou pelo menos dez pessoas numa vila da província de Homs nesta segunda-feira, informou a emissora estatal de televisão. O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres, informou que 50 pessoas morreram em ataques em Alepo desde sábado. Já Al-Zoubi disse que vinte pessoas foram mortas e 80 feridas “no período de 10 minutos” no sábado. (Continue lendo o texto)

Al-Zoubi e ativistas ligados ao governo disseram que combatentes bombardearam Alepo com o chamado ‘canhão inferno’, uma arma grosseira fabricada localmente pelos rebeldes. Ela dispara cilindros de gás cheios de explosivos que provocam grandes danos ao atingir o alvo, embora seja bastante imprecisa. O ‘canhão inferno’ foi usado pela primeira vez no ano passado, mas nos últimos dias seu uso tem se intensificado nos ataques a Alepo.

O governo anuncia a eleição como a solução política para o conflito, que começou em março de 2011 e matou mais de 160.000 pessoas nos últimos três anos. O pleito será realizado apenas em território controlado pelo governo e é alvo de boicote pela oposição.

(Com Estadão Conteúdo)