Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ataques de Israel em Gaza podem continuar até setembro

Netanyahu pediu que população desaloje áreas com atividade do Hamas

Por Da Redação - 24 ago 2014, 11h53

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, deu a entender neste domingo que a atual ofensiva militar contra o Hamas na Faixa de Gaza se prolongará ainda por vários dias, já que Israel não conseguiu atingir seus objetivos. Em declaração no início da reunião dominical do gabinete, o chefe do governo advertiu a população que esteja preparada para a possibilidade de os ataques continuarem além do início do ano escolar, previsto em Israel para a primeira semana de setembro.

“Peço a todos os moradores de Gaza que desalojem todo lugar onde o Hamas realiza sua atividade terrorista. Cada um desses lugares é um alvo para nós”, afirmou Netanyahu.

A declaração foi feita entre uma nova intensificação dos bombardeios israelenses sobre a Faixa de Gaza e apelos da comunidade internacional para que termine o conflito no qual já morreram ao menos 2.105 palestinos, 75% deles civis, nos 48 dias de bombardeios de Israel sobre a região.

Leia também:

Continua após a publicidade

Hamas mata 18 colaboradores de Israel em Gaza

ONU alerta para risco de ‘massacre’ em cidade iraquiana

Aviões de combate israelenses mataram neste domingo dois palestinos que viajavam em uma motocicleta pelo centro da Faixa de Gaza. O ataque também deixou pelo menos dez pessoas feridas, segundo Ashraf al Qedra, porta-voz do Ministério da Saúde

No sábado, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, ligou para Netanyahu para pedir-lhe que retornasse à mesa de diálogo no Egito e negociasse uma cessação permanente das hostilidades. O pedido feito pelo secretário-geral incui também uma nova solicitação para que o processo de paz seja aberto e que os diálogos abram caminho a um processo ambicioso, colocando fim ao conflito entre palestinos e israelenses com base na ideia dos dois estados.

Continua após a publicidade

Horas depois, o Ministério das Relações Exteriores egípcio emitiu um comunicado no qual voltava a pedir a todas as partes a aceitar “um cessar-fogo permanente” e a retomar as negociações indiretas realizadas na capital egípcia.

(Com agência EFE)

Publicidade