Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ataque deixa dezenas de mortos e feridos em Karachi

Explosão teve como alvo minoria xiita na capital financeira do Paquistão. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado até agora

Pelo menos 45 pessoas foram mortas por uma bomba em Karachi, capital financeira e comercial do Paquistão, neste domingo. Aproximadamente 150 pessoas ficaram feridas, informou a rede BBC. Segundo a polícia local, a explosão destruiu vários prédios no distrito de Abbas Town, de maioria xiita.

Há informações de que uma segunda bomba também teria explodido no local. A primeira explosão teria sido causada por um carro-bomba, segundo a polícia. Ainda não se sabe o que provocou a segunda explosão. Os trabalhos de resgate chegaram a ser interrompidos depois que alguns moradores deram tiros para o alto em protesto contra o atentado. Como ainda há muitas pessoas presas sob escombros, o número de vítimas pode aumentar.

Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado, que ocorreu perto da entrada de uma mesquita, no momento em que as pessoas deixavam o local, depois das orações noturnas. A minoria xiita no Paquistão é alvo de constantes ataques sectários de grupos militantes sunitas. Líderes políticos e religiosos do país condenaram o ataque.

Leia também:

Malala diz que ganhou uma segunda vida após ataque

Paquistão: Valentine’s Day provoca celebrações e protestos

Cerca de 200 pessoas foram mortas em atentados na cidade de Quetta, apenas nos dois primeiros meses deste ano. As explosões tiveram como alvo comunidades xiitas. Em fevereiro, a Suprema Corte do país pediu às autoridades que planejem uma estratégia de proteção mais efetiva aos muçulmanos xiitas, devido ao aumento no número de ataques.

Os xiitas correspondem a aproximadamente 20% da população paquistanesa de 180 milhões de habitantes. Ataques relacionados a motivos étnicos, sectários e políticos deixaram, só em Karachi, mais de 2.200 mortos em 2012, o pior resultado em duas décadas, segundo a comissão independente de direitos humanos do país.

(Com agência France-Presse)