Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ataque aéreo iemenita mata 17 membros da Al-Qaeda

Ao menos 17 membros da Al-Qaeda, entre eles um chefe regional, morreram no Iêmen nesta segunda-feira em ataques aéreos do Exército iemenita e de aviões teleguiados americanos, assim como em combates, informaram fontes de segurança e autoridades tribais.

Cinco supostos membros da organização extremista morreram em um ataque de um avião teleguiado americano, informou uma fonte tribal.

“Um ‘drone’ americano apontou contra o comboio no qual viajava Qaeb al-Dahab, um líder da Al-Qaeda da província de Bayda (centro)”, declarou esta fonte que pediu anonimato, completando que “Dahab sobreviveu, mas cinco de seus guardas morreram”.

Outros sete supostos membros da Al-Qaeda, incluindo um líder local, Saleh Abdel Jaleq, morreram em um ataque aéreo do Exército iemenita em uma “região costeira desértica” a cerca de 60 km a oeste de Mukala (leste), informou uma autoridade dos serviços de segurança.

Esta fonte, que deu a entender que o Exército obteve informações sobre esta reunião, afirmou que aviões de combate iemenitas realizaram o ataque.

Outros cinco supostos membros da Al-Qaeda e um civil morreram em confrontos noturnos quando o Exército se aproximava da cidade de Jaar, um reduto dessa organização na província de Abyan (sul), afirmou uma autoridade militar.

Esta autoridade, que também pediu para não ser identificada, afirmou que “um comandante” da organização, Abdel Rahman al-Musalami, está entre os cinco mortos.

Uma autoridade local confirmou esse número.

A autoridade indicou também que o Exército iemenita avançou e está a cerca de “três quilômetros de Jaar”, cidade sitiada.

O ataque noturno contra posições da Al-Qaeda em Jaar e arredores foi efetuado, segundo a autoridade, pelas tropas terrestres e pela Força Aérea.

O Exército também avançou para Zinjibar, a capital de Abyan controlada pela organização extremista desde maio de 2011, disse, sem dar mais informações.

O Exército iniciou em 12 de maio operações militares para tentar reconquistar as posições controladas pela Al-Qaeda, entre elas Zinjibar e Jaar.

Desde então, a ofensiva deixou mais de 300 mortos, segundo um registro feito pela AFP. A maior parte das mortes ocorreu entre os combatentes da Al-Qaeda.

Segundo diplomatas ocidentais em Sanaa, especialistas americanos aconselham o exército iemenita nestas operações.