Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ataque ucraniano em seu próprio território fez 28 mortos, diz Rússia

Kremlin afirma que um bombardeio da Ucrânia contra Lysychansk, uma cidade ocupada por forças russas, atingiu civis, incluindo mulheres e uma criança

Por Da Redação
Atualizado em 5 fev 2024, 15h18 - Publicado em 5 fev 2024, 15h15

A Rússia disse nesta segunda-feira, 5, que pelo menos 28 pessoas morreram em um ataque ucraniano que atingiu uma padaria na cidade de Lysychansk, no leste da Ucrânia, que é ocupada por forças russas desde meados do ano passado. Segundo o Ministério de Emergências russo, militares, mulheres e uma criança foram mortos devido à explosão no local, que fica na região de Luhansk, anexada por Moscou em meados de 2022.

O pequeno prédio, que também abrigava um restaurante chamado Adriatic, foi atingido por uma bomba no sábado 3. Nesta segunda, o governo da República Popular de Luhansk (LNR) disse que o ataque matou o ministro de Situações de Emergência, Alexey Poteleshchenko, que comemorava seu aniversário no restaurante.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, também afirmou que as Forças Armadas ucranianas visaram deliberadamente a padaria, sabendo que “os moradores locais tradicionalmente vão lá aos sábados para comprar produtos assados ​​e mantimentos, incluindo idosos e famílias com crianças”.

+ Drones da Ucrânia afundaram navio de guerra da Rússia na Crimeia, diz Kiev

“Ato terrorista”

O Kremlin alegou que armas fornecidas à Ucrânia por seus aliados no Ocidente foram usadas no ataque, que qualificou como um “ato terrorista”.

Continua após a publicidade

Kiev não fez comentários a respeito do incidente. No entanto, blogueiros militares ucranianos afirmaram que “colaboradores” e autoridades russas estavam na padaria no momento do ataque.

Dois anos de guerra

Lysychansk, que fica na parte leste de Luhansk, foi capturada pela Rússia em julho de 2022. O suposto ataque do exército ucraniano ocorre às vésperas do segundo aniversário da invasão em grande escala da Ucrânia, em 24 de fevereiro daquele ano. Nos últimos meses, as forças de Kiev têm lutado para obter ganhos no campo de batalha e justificar o apoio contínuo de seus aliados, principalmente dos Estados Unidos. Isso porque sua contraofensiva, lançada no final do primeiro semestre de 2023, não conseguiu, até agora, recuperar o território confiscado por Moscou.

+ Ucrânia suspende autoridade do alto escalão por suspeita de corrupção

Na noite de domingo 4, a emissora italiana Rai 1 transmitiu uma entrevista com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, na qual ele disse que era necessário um “reset” na estratégia da guerra, bem como uma mudança na liderança sênior. O comentário ocorre em meio a especulações de que ele estaria prestes a demitir seu comandante-chefe, o general Valerii Zaluzhnyi.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.