Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Associação apresenta denúncia contra Assad por tortura

Organização marroquina de proteção a crianças denunciou ditador em Paris

Por Da Redação 29 ago 2012, 08h56

Uma associação marroquina apresentou uma denúncia em Paris contra o ditador sírio, Bashar Assad, por tortura e barbárie contra menores sírios, informou nesta quarta-feira o advogado do grupo, Emmanuel Ludot. O grupo cita como exemplo uma operação no dia 9 de março das forças sírias e das milícias aliadas ao regime contra Ain Aruz, na região de Idleb, em que foram presas dezenas de crianças de 8 a 13 anos antes dos ataques ao local.

Leia também:

Leia também: Exército ‘precisa de tempo’ para vencer rebeldes, diz Assad

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

A Associação Marroquina para a Proteção da Infância e o Despertar da Consciência da Família fez a denúncia com base no conceito da justiça universal, que autoriza um estado a perseguir na justiça os responsáveis por alguns tipos de crimes, como genocídio e crimes contra a humanidade, independente do local onde tenham sido cometidos e da nacionalidade dos autores e das vítimas.

A associação recorda que a ONU incluiu a Síria em junho na “lista da vergonha”, ao lado dos protagonistas de conflitos que recrutam, utilizam e matam ou mutilam crianças. Frequentemente, há várias crianças entre o saldo diário de mortos nos conflitos do país, e organizações de direitos humanos já denunciaram que o regime usa menores como escudos, além de torturá-las.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade