Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Assembleia Geral da ONU condena o regime sírio

Com valor mais simbólico do que prático, resolução pede renúncia de Assad

A Assembleia Geral da ONU aprovou nesta quinta-feira por grande maioria uma resolução que condena “as sistemáticas violações dos direitos humanos” cometidas pelo governo da Síria. O documento também pede o início do plano de transição proposto pela Liga Árabe, que exige a renúncia do ditador Bashar Assad e o início da transição democrática, entre outros pontos.

Leia também:

Leia também: Oposição síria pede boicote a referendo sobre Constituição

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 5.400 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

Segundo a apuração da votação, a resolução recebeu o sinal verde de 137 países, entre eles o Brasil. Outros 17 se abstiveram e 12 votaram contra, entre eles Rússia, China, Irã, Coreia do Norte, Cuba, Venezuela, Equador e Bolívia. No dia 4, russos e chineses vetaram resolução semelhante no Conselho de Segurança da ONU.

O texto aprovado nesta quinta-feira pela Assembleia Geral tem mais valor simbólico do que prático, uma vez que o organismo não tem poder para determinar ações concretas na Síria como, por exemplo, uma intervenção militar ou a criação de uma missão de paz, como defende a Liga Árabe.

(Com agência EFE)