Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

As últimas palavras do menino Aylan: “Por favor, papai, não morra”

Revelação sobre os momentos derradeiros da tragédia com refugiados no Mar Egeu foi feita pela tia dos meninos, que se diz arrependida de pagar pela fuga da família

“Por favor, papai, não morra”. Estas teriam sido as últimas palavras do menino Aylan, de 3 anos, e de seu irmão mais velho, Galip, de 5, antes de morrerem afogados na tragédia que comoveu o mundo na semana passada. A revelação foi feita por Tima Kurdi, irmã do pai das crianças, Abdullah, em entrevista ao jornal inglês The Times.

Ela contou que Abdullah tentou salvar os filhos quando o bote em que os refugiados atravessavam o Mar Egeu virou. “Ele me disse que buscou com todas as forças segurar os dois acima da superfície para que pudessem respirar”, narrou Tima. Enquanto isso, as crianças suplicavam para que o pai resistisse.

Em outra entrevista, à agência Associated Press, Tima – uma cabeleireira que vive no Canadá – afirmou ainda que se arrependeu de ter enviado como presente ao irmão o dinheiro para que a família pudesse fugir na embarcação precária rumo à ilha grega de Cos. “Eu mandei dinheiro para que eles pagassem pela viagem. Se eu não tivesse feito isso, eles ainda estariam vivos”, disse ela.

A imagem do corpo do pequeno Aylan morto em uma praia turca chocou o mundo e fez com que vários países, como a Áustria e a Alemanha, revissem suas posições sobre a entrada de refugiados sírios em suas fronteiras.

Leia mais:

Áustria e Alemanha abrem fronteiras para imigrantes liberados pela Hungria

Milhares de crianças atravessam a Europa sozinhas com onda de refugiados

Corpo de Aylan é enterrado na Síria

(da redação)