Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Argentina retoma debate para legalização do aborto no Congresso

Presidente Mauricio Macri tem mantido posição ambígua sobre tema, enquanto chapa de Cristina Kirchner já se declarou a favor da descriminalização

Um projeto de lei para legalizar o aborto na Argentina voltará ao Congresso nesta terça-feira, 28, após ser rejeitado em 2018 no Senado.

Uma maré de lenços verdes, símbolo da luta feminista em favor deste direito, apoiará nas ruas a apresentação do projeto que será debatido pelo oitavo ano consecutivo, com o apoio de 15 parlamentares.

Organizações em favor do aborto legal buscam tornar o tema uma questão relevante durante a campanha eleitoral para as eleições gerais de 27 de outubro.

“A nova apresentação servirá para pressionar as listas dos partidos e garantir que cada candidato se pronuncie claramente sobre a questão”, considerou Victoria Tesoriero, líder da Campanha pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito.

Na Argentina, de acordo com a lei em vigor desde 1921, o aborto é permitido quando a vida da mulher está em perigo e quando é resultado de um estupro, sem especificar as semanas de gestação. Porém, muitos médicos e alguns governos provinciais resistem em aplicar a lei.

Estima-se que 100 mulheres morrem todos os anos vítimas de complicações em abortos clandestinos no país.

Em 2018, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei para legalizar o aborto até a 14ª semana de gestação, mas o Senado, mais conservador, rejeitou-o por 38 votos a 31. A renovação de metade do Senado criou expectativas sobre uma mudança de posições.

O presidente liberal Mauricio Macri, que tentará a reeleição, tem mantido uma posição ambígua. No ano passado, ele se declarou “a favor da vida”, embora tivesse anunciado que, se a lei fosse aprovada, não a vetaria.

A ex-presidente e senadora Cristina Kirchner, candidata a vice-presidente, que relutou em apoiar a lei durante seus dois mandatos (2007-2015), votou a favor de sua aprovação em 2018.

Seu companheiro de chapa Alberto Fernandez, candidato à Presidência pelo peronismo, declarou-se a favor da descriminalização, embora sem avançar na legalização.

(Com AFP)