Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Argentina rejeita descriminalizar o aborto

Projeto terminou de ser votado nesta madrugada (9) e teve 31 votos a favor, 38 contra e duas abstenções

O Senado da Argentina decidiu na madrugada desta quinta-feira (9) vetar o projeto de lei que pretendia descriminalizar o aborto até a 14ª semana de gestação.

Embora o texto da Lei de Interrupção Voluntária da Gravidez tivesse sido aprovado no dia 14 de junho pela Câmara dos Deputados, o projeto não passou no Senado. Foram 31 votos a favor, 38 contra e duas abstenções, de um total de 72 cadeiras (houve uma ausência).

Promotor do debate, o presidente Mauricio Macri disse que “não importa qual seja o resultado, hoje ganhará a democracia”.

O projeto, que visava descriminalizar qualquer aborto até a 14ª semana de gestação — e não apenas nos casos atuais de estupro ou perigo de saúde da mãe —, gerou fortes divisões tanto dentro do governo como na oposição, por isso o resultado já era esperado.

O debate começou às 10h30 de quarta (8) e durou cerca de 16 horas. Foram 64 discursos ao todo e muitas intervenções. Após o final da sessão, os senadores deixaram o Congresso rapidamente, muitos decepcionados com o resultado.

Essa foi a sexta vez que a iniciativa de aprovar o aborto foi apresentada no Congresso do país vizinho. Anteriormente, não havia sequer sido debatida. Ao ser rejeitado no Senado, o projeto não poderá voltar a pauta novamente para avaliação parlamentar até o próximo ano.

Ainda assim, os principais parlamentares e grupos apoiadores da medida se dizem felizes por terem inserido o debate sobre a legalização na sociedade argentina com tanta força.

“O futuro não pertence ao ‘não’. Cedo ou tarde, as mulheres terão a resposta normativa de que precisam. Cedo ou tarde, o ‘sim’ vai ganhar este debate”, disse o senador Miguel Angel Pichetto, chefe do bloco do Partido Justicialista (peronista) em seu discurso de encerramento.

Os setores a favor da lei também avaliam convocar um referendo. “Quando há uma Câmara que opina de uma maneira e outra que pensa de outra maneira, caso seja rejeitado, isso mostra que a representação do povo está dividida. Isso faz necessário, talvez, um sistema de decisão de democracia direta previsto pela Constituição, por meio da consulta vinculante. É possível que proponhamos isso”, antecipou Daniel Lipovetzky, deputado do governista Cambiemos, encarregado do debate na Câmara baixa.

Um dos discursos mais esperados da sessão foi o da ex-presidente e senadora Cristina Kirchner, que apoiou o projeto de lei, apesar de durante seus anos de governo ter se negado a permitir o debate sobre o tema no Congresso. Segunda ela, sua mudança de opinião foi motivada pelas “milhares e milhares de mulheres que se reuniram nas ruas”.

Manifestações populares e confronto

Manifestante pró-aborto lança uma garrafa em direção a uma barricada montada do lado de fora do Congresso em Buenos Aires, Argentina – 09/08/2018

Manifestante pró-aborto lança uma garrafa em direção a uma barricada montada do lado de fora do Congresso em Buenos Aires, Argentina – 09/08/2018 (Natacha Pisarenko/AP)

Na parte externa do Congresso e no meio de um forte dispositivo de segurança, milhares de pessoas contra e a favor da lei se concentraram durante todo o dia, após vários meses de uma grande atividade das duas partes na defesa de suas posições.

Após a sessão, em plena madrugada, foram registrados incidentes na saída da multidão que estava reunida no local. Ao menos oito pessoas foram detidas por confrontos com a Polícia.

As mulheres que se reuniram na Praça do Congresso durante a votação acenderam pequenas fogueiras para se esquentar durante a madrugada fria. Após a divulgação do resultado, pequenos grupos usaram pedaços de madeira para aumentar o fogo.

A Polícia usou hidrantes para apagar as chamas. Molhados, alguns manifestantes estão passaram a atacar os carros policiais e a jogar pedras e outros objetos contra os oficiais, que reagiram com gás lacrimogêneo.

(Com EFE, AFP e Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    Ï
    #$EGU&@£íDER [ UmaVezF£A/mengo… ]
    ps:MorraDeÏnVEjAquemNão*É*CORINTIAN@,vejA
    /PÇÇ:BsB,7h { o Dia vai amanhecer; É só o Sol se PôR }
    !

    Curtir

  2. Liberem o aborto. A pílula do dia seguinte que pode ser tomada até três dias depois do coito é, na maioria das vezes, abortiva. O mais razoável seria não copular após a balada.

    Curtir

  3. Eu jamais me danei por seguir conselho de mulheres. Elas são exímias observadoras do Mundo e nos acolhem. Se querem permissão legal para o aborto é porque sabem o que querem.

    Curtir

  4. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    ABORTO É ASSASSINATO DE UM SER HUMANO! STF NÃO PODE LEGISLAR! A SOCIEDADE BRASILEIRA E O CONGRESSO JÁ DISSERAM NÃO AO ABORTO!

    Curtir

  5. Social Democrata

    Parabéns ao senado argentino. Aborto deve ser considerado crime bárbaro.

    Curtir

  6. Kaio Vinicius Morais

    Uma vitória da vida contra os bárbaros.É fácil defender aborto quando se teve seu direito a vida preservado, quando vc já nasceu.

    Curtir