Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Argélia abandona mais de 13.000 imigrantes no Deserto do Saara

País recebe enormes fluxos migratórios de nações subsaarianas, principalmente do Níger e de Mali

A Argélia abandonou mais de 13.000 imigrantes no Deserto do Saara nos últimos 14 meses, incluindo mulheres grávidas e crianças, deixando-os sem alimentos ou água e forçando os grupos a andarem sob um sol escaldante. Centenas de imigrantes expulsos podiam ser vistos no horizonte, caminhando sob temperaturas de 48ºC.

No Níger, aqueles com mais sorte conseguem cruzar, vacilantes, um território de 15 km até o vilarejo de Assamaka, na fronteira do país. Outros vagam por dias até serem resgatados por equipes das Nações Unidas. Inúmeros morrem.

Quase todos os cerca de 30 sobreviventes entrevistados para a reportagem mencionaram pessoas de seus grupos que simplesmente desapareceram no Saara.

“Mulheres e homens caíam mortos. Outros desapareceram no deserto porque não sabiam o caminho”, disse Janet Kamara, que estava grávida na época. “Todos estavam por conta própria”, afirmou.

Em uma voz desprovida de sentimento, ela lembrou duas noites passadas a céu aberto antes de o grupo com o qual estava ser resgatado, e afirmou que perdeu a noção do tempo. “Perdi meu filho, minha criança”, disse ela, que é da Libéria. Outra mulher com cerca de 20 anos entrou em trabalho de parto no meio da travessia e perdeu seu bebê, contou Janet.

As expulsões em massa de imigrantes têm aumentado na Argélia desde outubro de 2017, à medida que a União Europeia (UE) aumenta a pressão sobre os países da África do Norte para frearem a ida de pessoas para o norte da Europa por meio do Mar Mediterrâneo.

Um porta-voz da UE disse que o bloco estava ciente do que a Argélia vinha fazendo, mas que os “países soberanos” podem expulsar imigrantes desde que o ato esteja de acordo com a lei internacional.

A Argélia recebe enormes fluxos migratórios de países subsaarianos, principalmente do Níger e de Mali. Sem poder lidar com a enorme quantidade de pessoas chegando no país, o governo deporta e expulsa os imigrantes de seu território.

Diferentemente do Níger, a Argélia não recorre ao dinheiro oferecido pela UE para ajudar com a crise migratória, mas recebeu 111,3 milhões de dólares em recursos da Europa entre 2014 e 2017.

A Argélia não divulga números de suas expulsões, mas a quantidade de pessoas que cruzam a fronteira do Níger a pé tem crescido desde que a Organização Internacional de Migração (OIM) começou a registrar esses dados, em maio de 2014.

Na época, 135 pessoas foram expulsas. Em abril de 2018, esse número saltou para 2.888. Segundo a OIM, 11.276 homens, mulheres e crianças sobreviveram à marcha.

Autoridades argelinas não quiseram comentar o assunto, mas o país já negou no passado as críticas de que comete abuso dos direitos humanos ao abandonar imigrantes no deserto. As autoridades qualificaram as alegações de “campanha maliciosa” com a intenção de inflamar países vizinhos.

 

(Com Estadão Conteúdo)