Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Apple se nega a desbloquear iPhone de autor de tiroteio na Califórnia

Segundo a empresa, se a medida fosse atendida, fragilizaria a segurança de todos os usuários de iPhones

Por Da Redação 17 fev 2016, 08h00

A empresa de tecnologia Apple se nega a desbloquear o telefone iPhone usado por um dos autores do tiroteio de dezembro na cidade californiana de San Bernardino (EUA). O ataque resultou na morte de catorze pessoas. Em comunicado emitido nesta quarta-feira pelo diretor executivo da empresa, Tim Cook, a Apple afirma que a ordem emitida pelo FBI (a polícia federal americana), que investiga o atentado, teria “graves consequências para a segurança” dos usuários dos telefones iPhone.

“O governo dos Estados Unidos pediu à Apple que dê um passo sem precedentes, que ameaça a segurança de nossos usuários”, disse Cook no comunicado. “Nós nos opomos a essa ordem, que tem implicações além do caso que se elucida”, afirma. Uma juíza federal dos Estados Unidos ordenou nesta terça à Apple que ajude o FBI a desbloquear e ter acesso ao telefone iPhone usado por um dos dois autores do tiroteio. De acordo com a ordem emitida pela juíza Sheri Pym, a Apple deverá fornecer ao FBI “assistência técnica razoável” para que os investigadores tenham acesso aos dispositivos móveis.

Leia também

FBI investiga ataque de San Bernardino como “ato de terrorismo”

Autora de tiroteio na Califórnia jurou aliança ao Estado Islâmico em rede social

Polícia encontra arsenal na casa dos atiradores de San Bernardino

Porém, a magistrada Sheri Pym não ordenou diretamente à Apple para desativar o bloqueio específico do iPhone 5C de Syed Farook, um dos autores do atentado, mas exigiu que a empresa alterasse suas definições de segurança para permitir um número ilimitado de tentativas para descobrir o password. O sistema de segurança da Apple elimina os dados do telefone se não for introduzido o código correto após dez tentativas consecutivas. Se a medida fosse atendida, na prática, ela fragilizaria a segurança de todos os usuários de iPhones.

Desde setembro de 2014, os dados da maioria dos aparelhos da Apple estão codificados e a eles só se pode ter acesso com uma chave de segurança. “O governo está pedindo à Apple que pirateie nossos usuários e que mine décadas de avanços sobre segurança e proteção”, diz Cook no comunicado. “Opor-se a esta ordem não é algo que fazemos superficialmente. Devemos enfrentar o que achamos que é um excesso do governo dos Estados Unidos”, afirmou.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês