Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Após recorde de casos de Covid-19, Portugal avança em plano de vacinação

A partir desta segunda-feira serão vacinados os funcionários e residentes de casas de repouso, com preferência para municípios considerados de maior risco

Por Da Redação Atualizado em 4 jan 2021, 14h35 - Publicado em 4 jan 2021, 14h03

Em meio a um recente número diário recorde de casos de Covid-19, Portugal dá início nesta segunda-feira, 4, a seu plano de vacinação em asilos contra o novo coronavírus. A etapa é a mais recente no processo que teve início em 27 de dezembro e que durante uma semana se concentrou nos profissionais da saúde. 

A partir desta segunda-feira serão vacinados com o imunizante da Pfizer os funcionários e residentes de casas de repouso, com preferência nesta semana para cerca de 150 centros localizados nos 25 municípios considerados de maior risco de casos de Covid-19 no país.

Se o cronograma previsto pelo governo for cumprido, na próxima segunda-feira, dia 11, a vacinação será estendida para o restante das casas de repouso do país. O país não sofreu atrasos nas entregas das vacinas e, portanto, permanece inalterado em seus planos, que preveem a administração do medicamento a 950 mil pessoas até abril.

Na última quinta-feira, Portugal registrou seu maior número diário de casos, somando 7.627, enquanto se preparava para o Réveillon. 

O país, que soma 427.254 casos, incluindo 7.118 mortes, aliviou restrições em torno do período do Natal, mas aumentou novamente na Noite de Ano Novo com uma proibição de viagens entre cidades e de reuniões públicas, além de um toque de recolher, que termina nesta segunda-feira.

Portugal encontra-se em estado de emergência o nível de alerta mais grave até a próxima quinta-feira, embora se preveja uma extensão de pelo menos uma semana, enquanto aguarda para saber o impacto real das férias de fim de ano na curva de contágio.

“Na segunda semana de janeiro seremos capazes de avaliar o impacto do Natal“, disse o primeiro-ministro português, Antonio Costa. “Felizmente aliviamos as restrições, mas agora precisamos de um período de contenção para avaliar os resultados”.

Continua após a publicidade

Publicidade