Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após recontagem de votos, neta de Allende perde prefeitura

O Serviço Eleitoral do Chile havia divulgado anteriormente que, em uma apertada disputa, ela havia sido eleita com uma diferença de apenas 92 votos

A neta do ex-presidente chileno Salvador Allende (1970-1973), Maya Fernandéz Allende, perdeu a prefeitura de Ñuñoa, cidade próxima a Santiago, após uma recontagem dos votos – transmitida pela televisão local – ter apontado a vitória de seu rival, Pedro Sabat, por 30 votos, como foi divulgado nesta terça-feira pela Justiça eleitoral local.

Saiba mais: Neta de Salvador Allende é eleita prefeita de cidade chilena

No final de outubro deste ano, o Serviço Eleitoral do Chile havia divulgado que, em uma apertada disputa, Maya, do Partido Socialista chileno, havia sido eleita com uma diferença de apenas 92 votos. Uma recontagem, no entanto, foi feita a pedido do partido de Sabat, alegando que uma urna havia sido apurada, mas não contabilizada.

Desta forma, por mais de oito horas na última sexta-feira, o Segundo Tribunal Eleitoral de Santiago voltou a contar os votos depositados em 29 urnas nas eleições de 28 de outubro, incluindo aquela cujos votos não tinham sido considerados na contagem final por existir diferenças entre o número de votos e assinaturas registradas.

Assim, Sabat ganhou a eleição por 34.447 votos contra os 34.417 obtidos por Maya, que, após o anúncio do órgão judicial, assumiu a derrota publicamente. Por meio de sua conta no Twitter, ela disse “o Tribunal acaba de declarar que não sou prefeita de Ñuñoa”.

Histórico – A neta do ex-presidente, não é a única integrante da família que atua dentro da esfera política chilena após seu avô ter se matado em decorrência do golpe de estado que instaurou a ditadura de Agusto Pinochet (1973-1990) no país. Sua tia Isabel Allende é senadora, também pelo Partido Socialista – do qual Allende fez parte.

Sabat, por sua vez, ocupa o cargo de prefeito de Ñuñoa desde 1996 e é conhecido por ter colaborado com a ditadura de Pinochet.

Leia também: Milhares marcham no Chile por vítimas da ditadura de Pinochet

(Com Agência France-Presse)