Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após ‘peladas da Times Square’, NY planeja regras para atrações de rua

Artistas fantasiados e mulheres seminuas têm atraído críticas por seus comportamentos ao abordar turistas

A cidade de Nova York quer colocar ordem na Times Square, um dos principais pontos turísticos da cidade, com a imposição de novas regras para controlar as atrações que buscam gorjetas de turistas. Pessoas fantasiadas de personagens infantis – que variam de figuras da Vila Sésamo a super-heróis como Homem-Aranha – e mulheres com pouquíssimas roupas têm atraído críticas por seus comportamentos agressivos ao abordar os viajantes.

A cidade vai manter uma unidade policial especial dedicada somente à área da Times Square, no coração Manhattan, e irá garantir autoridade ao Departamento de Transporte da Cidade de Nova York para regular as atividades comerciais, informaram autoridades da cidade em uma nota à imprensa.

Leia também:

Papa chega a NY e expressa sua “proximidade” aos muçulmanos após tragédia em Meca

Cidade americana quer banir o uso de minissaias

Um relatório de setembro feito pela Câmara municipal e a Aliança da Times Square, um grupo que reúne comerciantes e prestadores de serviço da área, propôs a criação de zonas específicas para as pessoas que participam de atividades comerciais, incluindo os artistas fantasiados e as mulheres seminuas que posam para fotos com turistas. O prefeito Bill de Blasio e o governador Andrew Cuomo apontaram as performances nas ruas como uma ameaça que pode levar a Times Square aos “tempos antigos ruins”, quando a área era frequentada por prostitutas, pedintes e traficantes de drogas.

O vereador Corey Johnson, um dos autores do relatório e membro da força-tarefa criada por De Blasio para cuidar do problema, disse que detalhes das novas regras ainda não foram trabalhados. “A Times Square é um lugar peculiar e caótico. É o cruzamento do mundo, mas deve ser um lugar onde as pessoas devem ir sem ter que se preocupar sobre assédios quando estão só tentando passear”, disse. “A execução do plano é muito importante, e isto ainda será determinado”.

(Com agência Reuters)