Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Após entrevista desastrada, Rodman canta parabéns para ditador norte-coreano

O ex-jogador de basquete da NBA está em Pyongyang pela quarta vez. Ele é a estrela nas festividades em comemoração ao aniversário de Kim Jong-un

Por Da Redação - 8 jan 2014, 11h00

O ex-jogador americano de basquete Dennis Rodman comandou nesta quarta-feira o “Parabéns a Você” para o ditador norte-coreano Kim Jong-un diante de uma plateia em Pyongyang, um dia depois de fazer uma atabalhoada participação ao vivo em um programa da rede CNN, durante visita ao país comunista. Rodman é o guia de outros ex-astros da NBA em Pyongyang para a disputa de uma partida de exibição, como parte das celebrações do aniversário do ditador. Acredita-se que a data de nascimento de Kim seja nesta quarta, o que não foi confirmado. Tampouco se sabe a idade exata de Kim, estimada em torno de 30 anos.

“Começou de um jeito surreal, aí as pessoas aderiram, mas parecia bastante sincero da parte de Rodman”, disse Simon Cockerell, guia turístico que assistiu ao jogo em Pyongyang. O “Parabéns a Você”, segundo ele, “foi inesperado e provavelmente não planejado”. Kim Jong-un parecia sorrir, disse o guia. Cockerell, que acompanhava clientes da sua agência Koryo Tours, especializada em Coreia do Norte, disse que a plateia se levantou e aplaudiu Kim por até seis minutos quando ele apareceu no ginásio com sua mulher.

Leia também

Rodman surta ao ser questionado sobre americano preso na Coreia do Norte

Publicidade

Coreia do Norte retoma ameaças e diz que atacará Seul ‘sem piedade’

‘Coreia do Norte está mais imprevisível que nunca’, diz presidente sul-coreana

“Dennis Rodman proferiu um discurso charmosamente caótico, em que agradeceu a Kim Jong-un e sua mulher por aparecerem, e aos outros jogadores por terem a coragem de se juntarem a ele nesse ‘esforço de aproximação'”, disse Cockerell

Essa foi a quarta viagem de Rodman a Pyongyang. Nas duas primeiras ele jantou com Kim, com quem diz ter uma genuína amizade, mas na terceira vez não houve encontro com o ditador comunista, filho e neto dos primeiros ditadores norte-coreanos. A visita ocorre semanas depois da execução do outrora influente tio de Kim, Jang Song-thaek, acusado de traição ao regime.

Publicidade

Rodman diz que não pretende interferir na política norte-coreana, mas causou controvérsia nos EUA ao insinuar numa entrevista televisiva nesta terça-feira que o missionário coreano-americano Kenneth Bae é culpado por estar preso na Coreia do Norte. “Se você entender o que Kenneth Bae fez.. Você entende o que ele fez neste país? Por que está prisioneiro neste país?”, disse Rodman numa entrevista cheia de palavrões à CNN, e recusando-se a explicar o sentido das suas declarações.

Leia mais: Coreia do Sul diz que Norte segue executando próximos a tio de Kim

Terri Chung, irmã do missionário, disse que a família está “ultrajada” com as declarações do ex-atleta. “Ele está claramente desinformado sobre o caso de Kenneth, e certamente não em condições de fazer qualquer julgamento”, disse Chung, acrescentando que seu irmão nunca teve intenções hostis contra o Estado norte-coreano.

Bae, de 45 anos, foi preso em 2012 quando comandava um grupo de visitantes no norte do país asiático. Ele foi sentenciado a 15 anos de prisão, sob a acusação de estar usando as visitas turísticas como fachada para desestabilizar o regime.

Publicidade

(Com agência Reuters)

Confira o parabéns cantado por Rodman e lances do amistoso (imagens da Sky News):

Publicidade