Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após acidente, Asiana promete melhorar treinamento de pilotos

Companhia vai processar TV dos EUA por 'brincadeiras' com nomes de pilotos

A Asiana Airlines afirmou nesta segunda-feira que vai aprimorar o treinamento de pilotos para conduzir novos aviões, como parte de uma série de medidas tomadas após o acidente fatal de um Boeing 777 em São Francisco. Três adolescentes chinesas morreram e mais de 180 pessoas ficaram feridas quando o voo da Asiana, proveniente de Seul, pousou no aeroporto internacional de São Francisco, na Califórnia, em 6 de julho.

O piloto encarregado de pousar o avião estava em treinamento do modelo 777, e quem estava a seu lado era um copiloto no primeiro voo como instrutor. Ambos eram pilotos experientes, embora não tivessem voado juntos antes, segundo o órgão de segurança nos transportes dos EUA, o National Transportation Safety Board (NTSB).

Saiba mais:

Áudio revela momentos de terror em acidente de avião

Tripulação só evacuou avião depois de ver fogo

Comissários foram lançados para fora do avião no momento do acidente

“Vamos reforçar nosso programa de treinamento quando um piloto passar a operar um avião de um fabricante diferente”, disse a Asiana em comunicado ao governo dos EUA. Atualmente, os pilotos da Asiana têm que passar por dez voos e um total de 60 horas em um Boeing 777 para completar seu programa de treinamento.

O piloto Lee Kang-Kuk, um veterano que tinha um total de cerca de 10.000 horas de de voo, havia completado oito voos e 43 horas no Boeing 777, disse um porta-voz da companhia aérea. Ele havia pilotado aviões da Airbus antes de mudar para o Boeing 777. As novas medidas incluem melhorar a formação para a abordagem visual e voo automatizado e realização de inspeção em voo em aeroportos que são “vulneráveis à segurança”, afirma a companhia.

Processo – Também nesta segunda-feira, a companhia aérea sul-coreana anunciou que vai processar uma rede de televisão dos Estados Unidos por ter feito “brincadeiras de caráter racial” sobre o acidente. A Asiana já contratou um escritório de advogados nos EUA e vai entrar com um processo por difamação em um tribunal local contra o canal KTVU, filial da CNN da área da baía de San Francisco, por “atacar gravemente a honra da companhia aérea”.

Na sexta-feira passada, uma apresentadora da KTVU leu ao vivo os nomes falsos dos quatro pilotos do avião, que apareciam em um gráfico junto aos restos do avião parcialmente calcinado. Os pilotos, segundo anunciou a KTVU, eram os capitães Sum Ting Wong, Wi Tu Lo, Ho Lee Fuk e Bang Ding Ow, nomes aparentemente asiáticos, mas que escondem brincadeiras em inglês sobre o acidente, como “Alguma coisa está errada” e “Nós (estamos) muito baixos” no caso dos dois primeiros.

Após anunciar os nomes falsos dos pilotos, o canal pediu desculpas ao vivo e assegurou que a Junta Nacional de Segurança do Transporte dos Estados Unidos tinha confirmado por telefone os nomes dos pilotos. Essa versão foi confirmada pela própria NTSB, que também pediu desculpas e alegou que um estagiário se confundiu ao confirmar os nomes dos pilotos.

O acidente aconteceu no último dia 6 durante a aterrissagem em San Francisco do Boeing 777 da Asiana, que após voar mais baixo do que o normal bateu sua cauda contra um muro e se incendiou parcialmente. (Com agências EFE e Reuters)