Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confrontos entre aliados de Maduro e militantes pró-Guaidó ferem 69

Dia na Venezuela foi marcado por enfrentamentos entre forças leais ao chavista e ao autodeclarado presidente; EUA dizem não descartar ação militar

Ao anunciar ter o apoio das principais unidades da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) e convocar mobilizações populares nesta terça-feira, 30, o líder oposicionista da Venezuela Juan Guaidó, autodeclarado presidente constitucional do país, desencadeou um dia de violentos confrontos nas ruas entre manifestantes da oposição e forças leais ao regime de Nicolás Maduro.

Ao menos 69 pessoas ficaram feridas, sendo 41 delas atingidas por balas de borracha. Um blindado da Guarda Nacional, força fiel a Maduro, avançou sobre uma multidão de manifestantes e atropelou vários deles. Houve disparos de tiros nas ruas, tanto de forças policiais e militares quanto de civis. Ao menos duas pessoas foram levadas a hospitais por terem sido baleadas.

Governantes e políticos estrangeiros, entre eles o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, apoiaram a iniciativa de Guaidó batizada de Operação Liberdade. A exceção foi a Rússia, que apontou violência da oposição e classificou o movimento como uma tentativa de golpe contra Maduro.

Os americanos demoraram a se manifestar, mas no final da tarde o presidente Donald Trump apontou, pelo Twitter, a interferência de Cuba na situação, por meio de apoio militar, e disse que se o regime cubano não saísse da Venezuela, os EUA iriam impor um “embargo total” à ilha caribenha.

Mais tarde, o secretário de Estados do EUA, Mike Pompeo, disse que Maduro estava pronto para fugir para Cuba, mas que desistiu após ser convencido pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin. Pompeo disse que o governo americano não descarta o uso da força militar na Venezuela e mandou um recado a Maduro: “Ligue o motor do avião”.

Veja como foi o dia de confrontos na Venezuela:


20h07 – Confrontos em Caracas deixam 69 feridos 

Os confrontos desta terça-feira, 30, na capital venezuelana deixaram um total de 69 pessoas feridas, informou disse Gustavo Duque, prefeito de Chacao, na região metropolitana de Caracas. Entre as vítimas, 41 foram atingidas por balas de borracha. Outras 21 sofreram traumatismos variados, três tiveram dificuldades respiratórias e duas foram levadas a um hospital por terem sido baleadas.


19h45 – “Ligue o motor do avião,” diz secretário de Estado dos EUA a Maduro

De Nova York, a correspondente de VEJA Lúcia Guimarães, afirma que o secretário americano de Estado, Mike, Pompeo não quis entrar em detalhes sobre o que sabia ou não. Mas insistiu que Maduro deve sair do Palácio Miraflores e, quiças, da Venezuela.  “Ligue o motor do avião e parta o mais rápido possível”, aconselhou ao venezuelano.

À imprensa, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos comentou que Maduro tinha seu avião pronto no aeroporto para fugir para Cuba. Na última hora, porém, o presidente russo, Vladimir Putin, o teria convencido a não escapar.


19h02 – Grupo de Lima apoia Operação Liberdade, de Guaidó, e culpa Maduro pela violência

O Grupo de Lima deu seu apoio à Operação Liberdade, liderada nesta terça-feira, 30, pelo opositor venezuelano Juan Guaidó para pressionar pela renúncia de Nicolás Maduro. Em comunicado divulgado há pouco, os 12 membros assinalaram seu rechaço à qualificação do levante popular como “golpe de Estado”.

Mas, em sinal de temor de fracasso da iniciativa desta terça-feira, salientaram no seu segundo tópico a exigência de “pleno repeito à vida, à integridade e à liberdade de todos os venezuelanos, em particular, dos membros da Assembleia Nacional e de todos os líderes das forças políticas democráticas venezuelanas, assim como a liberação imediata de todos os presos políticos”.

O Grupo de Lima é formado por  Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela (de Guaidó). Foi criado em 2017 como mecanismo hemisférico de pressão pela redemocratização da Venezuela. 

Neste comunicado, o grupo novamente faz um apelo para que a Força Armada declare lealdade a Guaidó, autoproclamado presidente interino do país, e parem de servir como “instrumentos do regime ilegítimo”. Também pede a Maduro que acaba com a sua “usurpação” e o responsabiliza pelo uso indiscriminado da violência.

O grupo disse estar em sessão permanente, mas marcou para a próxima sexta-feira, 3 uma reunião em Lima, no Peru.


18h43 – Trump ameaça Cuba com “embargo total” se não recuar em seu apoio ao regime de Maduro

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou impor um “embargo total” contra Cuba, com sanções de “alto nível”, se seu governo continuar a apoiar militarmente o regime de Nicolás Maduro, da Venezuela. “Felizmente, todos os soldados cubanos vão retornar imediata e pacificamente a sua ilha”, escreveu, com ironia, no Twitter nesta terça-feira, 30.

“Se as tropas e milícias cubanas não cessarem imediatamente as operações militares e de outra natureza com o propósito de causar mortes e a destruição da Constituição da Venezuela, um total e completo embargo, com sanções de alto nível, serão adotadas sobre a ilha de Cuba”, assinalou.

Em troca de petróleo a preços subsidiados, Havana fornece a Caracas apoio militar desde os tempos do governo de Hugo Chávez, morto em 2013. Militares cubanos são apontados como os reais comandantes das forças venezuelanas, sobretudo as voltadas para a segurança interna e a repressão. Os guarda-costas de Chávez e, depois, de Maduro são militares cubanos.


18h13 – EUA revelaram que líderes chavistas negociaram com Guaidó saída de Maduro

O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, afirmou que o ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Maikel Moreno, e o comandante da Guarda Presidencial, Iván Hernández Dala, negociaram com Juan Guaidó a saída de Nicolás Maduro do poder. Mas não cumpriram suas promessas.

“Como toda a oposição na Venezuela sabe, eles se comprometeram apoiar a derrubada de Maduro”, admitiu Bolton.

Em uma entrevista à imprensa na Casa Branca, o assessor afirmou ainda que esta era a última oportunidade para os militares e o juiz Moreno aceitarem “a anistia do presidente interino Guaidó, proteger a Constituição e tirar Maduro do poder”.

“Se eles ficarem com Maduro, eles vão afundar com o navio”, disse Bolston, acrescentando que a deposição do ditador é a única forma de os Estados Unidos aliviarem as sanções contra a Venezuela.


17h55 – Total de feridos nos conflitos em Caracas sobe para 57

Maggia Santi, diretora do Salud Chacao Medical Center, atualizou para 57 o número de feridos nos confrontos, sendo 34 atingidos por bala de borracha, 2 feridos por armas de fogo, 18 que sofreram lesões traumáticas e 3 que tiveram problemas respiratórios.  


17h44 – Diretor da inteligência venezuelana é preso após libertação de Leopoldo López

O diretor do Serviço Bolivariano de Inteligência Militar da Venezuela (Sebin), o general Manuel Cristopher Figuera, foi preso nesta terça-feira, 30, após a libertação de Leopoldo López, segundo o site de notícias Tal Cual.

López é ex-prefeito de Chacao, a cidade mais rica da grande Caracas, e um dos mais conhecidos líderes da oposição venezuelana. Preso desde 2014, estava em prisão domiciliar nos últimos meses, sob o controle da Sebin.

Ele foi libertado hoje e se juntou aos protestos contra o governo de Nicolás Maduro, ao lado do autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó. López afirmou ter sido libertado por miliares após receber um “indulto presidencial” de Guaidó.

Por sua vez, o presidente da Comissão de Soberania e integridade territorial da Assembleia Nacional Constituinte convocada por Maduro, Gerardo Márquez, disse que o general Figuera está entre os militares que juraram lealdade a Guaidó.


17h27 – PT diz que Venezuela passa por “tentativa de golpe”

Comunicado oficial do Partido dos Trabalhadores (PT) sobre a situação política da Venezuela condena o que chama “tentativa de golpe levada a cabo pela oposição da direita golpista e antichavista”. A nota é assinada pela presidente do partido, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), além dos líderes petistas na Câmara, Paulo Pimenta (RS), e no Senado, Humberto Costa (PE).

Para o PT, “grupos opositores tentam há anos derrubar o governo democraticamente eleito do Partido Socialista Unido da Venezuela” e só não teriam conseguido tomar o poder graças ao apoio que a sigla e o sistema do ditador venezuelano, Nicolás Maduro, “têm junto às pessoas, após anos de políticas voltadas ao bem-estar da população e contrárias à exploração imperialista e das elites locais”.


17h15 – Planalto confirma asilo a 25 militares venezuelanos que desertaram

O Palácio do Planalto confirmou nesta terça-feira, 30, que cerca de 25 militares de baixa patente da Venezuela pediram asilo à embaixada brasileira em Caracas e foram recebidos pelo Brasil. O governo do presidente Jair Bolsonaro não revela, por enquanto, a identidade dos militares que foram acolhidos. A decisão de recebê-los foi do próprio Bolsonaro.


17h08 – EUA não descartam intervenção militar na Venezuela e advertem Rússia a não interferir

O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, reiterou que os Estados Unidos mantêm “todas as opções sobre a mesa” diante das crescentes tensões na Venezuela. Advertiu a Rússia para que não “intervenha” no país para manter no poder o presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

“Acreditamos que os cubanos desempenharam um papel muito importante hoje para manter Maduro no poder, possivelmente com a ajuda dos russos (…). Quando as vidas dos venezuelanos estão em jogo, esperamos que a Rússia não intervenha”, disse Bolton em declarações aos jornalistas na Casa Branca. (Com EFE)


16h56 – Leopoldo López está refugiado na embaixada do Chile em Caracas

O ministro de Relações Exteriores do Chile, Roberto Ampuero, afirmou pelo Twitter que Leopoldo López e sua família estão refugiados na embaixada de seu país em Caracas. “Lilian Tintori e sua filha entraram como convidados em nossa missão diplomática”, disse, sobre a mulher de López. “O Chile reafirma seu compromisso com os democratas venezuelanos”, acrescentou.

López é ex-prefeito de Chacao, a cidade mais rica da grande Caracas, e um dos mais conhecidos líderes da oposição venezuelana. Preso desde 2014, o político de oposição afirma ter sido libertado por um “indulto presidencial” concedido pelo autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó.

Mais cedo, o opositor afirmou pelo Twitter que fora libertado por militares. “É hora de conquistar a liberdade”, escreveu. “Venezuela iniciou a fase definitiva para o fim da usurpação”.


16h55 – Conflito na Venezuela pressiona preço internacional do petróleo

Os contratos futuros do petróleo aumentaram em valor nesta terça-feira, 30, com a convulsão na Venezuela e depois de a  Arábia Saudita afirmar que o acordo para conter a produção da commodity pode ser estendido para além de junho, até ao final de 2019.

O petróleo Brent subia 1,11 dólar, ou 1,54 por cento, a 73,15 dólares por barril, às 9:34 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 1,05 dólar, ou 1,65 por cento, a 64,55 dólares por barril.


16H44 – 52 feridos nos confrontos em Caracas até agora

Segundo a presidente do Salud Chacao Medical Center, Magia Santi, 52 pessoas ficaram feridas até agora nos confrontos nesta terça e foram encaminhadas ao hospital.

Entre os 52 feridos:

– 32 foram atingidos por balas de borracha

– 1 foi ferido por arma de fogo

– 16 sofreram lesões traumáticas

– 3 tiveram problemas respiratórios


16h42 – Aliados de Guaidó dizem que “regime de Maduro desmoronou”

Aliados de Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, garantem que o líder Nicolás Maduro está isolado e sem o apoio substancial da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), embora ainda não detalhem quais os setores, unidades e comandos romperam com o Palácio de Miraflores. A presença do ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, ainda ao lado do ditador não se traduz em apoio efetivo das tropas, segundo os colaboradores do oposicionista.


16h25 – Trump diz estar monitorando de perto situação na Venezuela

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, postou no Twitter que está acompanhando de perto a situação em Caracas. “Os Estados Unidos estão ao lado do povo da Venezuela e de sua liberdade”, escreveu. Durante todo o dia, o líder americano manteve-se calado sobre o tema.


16h20 – Chefe de milícia pede que venezuelanos peguem em armas para defender Maduro

Valentín Santana, chefe da milícia La Piedrita, um dos principais da Venezuela, gravou um vídeo pedindo que seus seguidores defendam o regime de Nicolás Maduro “com armas”. O chavista também convocou os cidadãos a se dirigirem ao Palácio de Miraflores para protestar contra o movimento de Juan Guaidó.

“Chegou o momento de defender a revolução com armas”, disse ele, carregando um rifle de guerra. “Estou mostrando meu rosto, sem capuz, e vou defender meu país”.

Os coletivos são milícias civis leais ao regime que atuam principalmente nas comunidades mais pobres do país. Estão, em geral, envolvidos no narcotráfico e são usados pelo regime como forma de controlar a população local. O La Piedrita está na Villa 23 de Janeiro, um dos maiores bairros pobres de Caracas.

Essa força pode ser vista circulando à paisana, em motocicletas, durante as manifestações contrárias do governo de Maduro. Estão sempre armados e não aguardam ordens de militares para atuar.


15h40 – Brasil ‘exorta’ países a apoiarem Guaidó contra Maduro na Venezuela

Nota diz que governo Bolsonaro ‘acompanha com grande atenção’ situação no país vizinho e cita ‘solução que ponha fim na ditadura de Maduro’. Assinado pelo porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, o texto também reafirma o “irrestrito apoio” ao povo venezuelano.


15h40 – No blog Mundialista: Venezuela explode: fitas azuis até a vitória ou a derrota final?

Guaidó faz movimento audacioso, insurreição militar contra o regime de Maduro por enquanto parece isolada e tudo está sendo jogado nesse momento


15h40 – Blindado da Guarda Nacional da Venezuela atropela manifestantes em Caracas

Durante as manifestações contra o governo de Nicolás Maduro convocadas pelo opositor Juan Guaidó, blindados da Guarda Nacional da Venezuela avançaram contra a multidão em Altamira, Caracas.


15h40 – Rússia acusa ‘oposição radical’ venezuelana de recorrer à violência

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou a oposição venezuelana de recorrer à violência, naquilo que o governo de Vladimir Putin classificou como tentativa descarada de atrair as Forças Armadas do país sul-americano à confrontação. Putin mantém seu apoio ao regime de Nicolás Maduro e cooperação militar com a Venezuela.


15h40 – No Radar: Líder do PT na Câmara diz que EUA lideram golpe na Venezuela


15h40 – Embaixador de Guaidó nos EUA afirma que levante da oposição não é ‘golpe’

O embaixador em Washington da oposição venezuelana, Carlos Vecchio, defendeu a tese de que o levante contra o regime de Nicolás Maduro não é um “golpe de Estado”. Vecchio fez um apelo ao ditador para que desista e entregue o governo “antes que piore”.


15h40 – Mourão diz que ‘houve passo decisivo, sem volta’, na Venezuela

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, vê um “passo decisivo, sem volta” na movimentação de Juan Guaidó. Para Mourão, “o temor é que eles (oposicionistas) não tenham apoio das Forças Armadas que julgam que têm e os militares possam reagir, provocando grave confronto nas ruas”.


15h40 – Desfecho de situação na Venezuela é ‘imprevisível’, avalia general Heleno

Chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, o general Augusto Heleno declarou a VEJA que não está claro se os militares venezuelanos tomaram partido por Juan Guaidó ou continuam leais a Nicolás Maduro, o que torna “imprevisível” o desfecho da crise no país vizinho. “Ambos anunciam o apoio das Forças Armadas, que vão ser o ponto de definição disso, mas nós não sabemos nem quantidade nem qualidade de quem aderiu aos dois lados”, disse.


15h40 – Autoridades internacionais apoiam movimentação de Guaidó

A Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Grupo de Lima reiteraram apoio ao presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó; o senador dos EUA Marco Rubio pediu que os venezuelanos impeçam “colonização” cubana.


15h40 – Bolsonaro: “ditadura de Maduro, na Venezuela, é apoiada pelo PT e Psol”

Também no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro trouxe para a seara política brasileira a crise da Venezuela. Ao expressar seu apoio à mobilização de Juan Guaidó para derrubar o regime de Nicolás Maduro, Bolsonaro fez questão de mencionar que a ditadura venezuelana tem como apoiadores no Brasil  PT e o PSOL.


15h40 – Chanceler brasileiro espera que militares venezuelanos apoiem transição

O ministro de Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, afirmou na manhã de hoje esperar que os militares conduzam um processo de “transição democrática” na Venezuela, depois que o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó alegou contar com o apoio de parte das Forças Armadas.


15h40 – Ministro da Defesa diz que Forças Armadas seguem ao lado de Maduro

O ministro da Defesa do regime de Nicolás Maduro, Vladimir Padrino, afirmou que as Forças Armadas do país seguem “firmemente em defesa” do governo “legítimo” de Maduro. Em uma série de tuítes, Padrino disse que todas as unidades militares do país declararam “normalidade” em seus quartéis e bases militares.


15h40 – Maduro declara ter “nervos de aço” e apoio do comando militar

Em reação às declarações e à movimentação liderada por Guaidó em Caracas, Nicolás Maduro declarou pelo Twitter que conta com a lealdade dos generais das forças territoriais do país desde janeiro passado. Na postagem, o ditador disse ter “nervos de aço”.


15h40 – Guaidó se junta a manifestantes: o fim da usurpação ‘é irreversível’

Reunido com manifestantes favoráveis ao fim do regime de Nicolás Maduro na Plaza Francia, em Caracas, Juan Guaidó disse mais cedo que “hoje está claro que as Forças Armadas estão com o povo e não com o ditador”. Guaidó discursou ao lado de Leopoldo López, ex-prefeito da capital e um dos líderes da oposição venezuelana. Preso desde 2014, o político afirma ter sido libertado por um “indulto presidencial” concedido pelo líder da Assembleia Nacional.