Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Ao menos dez foram presos em manifestação anti-lockdown na Áustria

Manifestantes também se opuseram a vacinação obrigatória em marcha marcada por presença da extrema direita

Por Amanda Capuano 20 nov 2021, 15h15

Milhares de pessoas saíram às ruas de Viena, na Áustria, neste sábado, 20, para protestar contra a retomada do regime de confinamento geral e a adoção de  vacinação obrigatória a partir de fevereiro, anunciada na sexta-feira pelo governo. Um porta-voz da polícia local informou que ao menos dez pessoas foram presas por violações de restrições sanitárias ou pelo uso de símbolos nazistas durante o protesto.

Empunhando bandeiras da Áustria e cartazes de “não à vacinação”, “já chega” e “abaixo à ditadura fascista”, os manifestantes, grande parte apoiadores do partido de extrema direita FPO, se reuniram em frente ao Palácio Hofburg, no centro de Viena, no início da tarde. No meio do dia, segundo a polícia local, a multidão havia aumentado para cerca de 35.000 pessoas, que marchavam pelo anel viário interno de Viena antes de voltar para Hofburg.

O líder do FPO, Herbert Kickl, que no início da semana testou positivo para Covid-19, apoiou as manifestações virtualmente, por meio de um vídeo em que denuncia o que chamou de medidas “totalitárias” de um governo “que acredita que deve pensar e decidir por nós.”

O confinamento que vigorará a partir de segunda-feira é o quarto decretado no país desde o início da pandemia. As pessoas só poderão sair de suas casas para realizar algumas tarefas, como ir ao médicos e fazer exercícios ao ar livre. Estabelecimentos comerciais não essenciais, como restaurantes e academias, ficarão fechados, enquanto supermercados, farmácias, creches e escolas seguem em funcionamento.

O chefe de governo, além disso, anunciou que a vacinação contra a Covid-19 se tornará obrigatório a partir de fevereiro de 2022, com imposição de sanções para aqueles que descumprirem a determinação. Atualmente, o país tem uma das taxas de vacinação mais baixas da Europa Ocidental, e um dos maiores índices de contágio do continente, com quase 1.000 casos de infecção para cada 100 mil pessoas nos últimos sete dias.

Além da Áustria, outros países da Europa também registraram protestos contra medidas restritivas. Nesse sábado, a polícia de Rotterdam informou no Twitter que 51 pessoas foram presas e duas ficaram gravemente feridas nas manifestações que tomaram a cidade na noite da sexta-feira, quando manifestantes incendiaram carros e se envolveram em conflito direto com a polícia. Protestos em menor escala também aconteceram na Suíça, Croácia, Itália e Irlanda do Norte.

Continua após a publicidade

Publicidade