Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ao menos 47 britânicos mantêm laços com a organização terrorista Al Shabab

Destes, 32 estão lutando ao lado dos guerrilheiros somalis, segundo levantamento conduzido pela rede BBC

Um levantamento conduzido pela rede BBC revelou nesta quarta-feira que ao menos 47 cidadãos britânicos possuem laços com o grupo terrorista somali Al Shabab, acusado de matar 69 civis e soldados no atentado ao shopping de luxo Westgate, em Nairóbi, no Quênia. A rede britânica reforçou que o número exato de filiados deve ser muito maior do que o divulgado.

Leia também:

Exército queniano nega envolvimento em saques a shopping

Novas imagens trazem detalhes sobre ataque a shopping no Quênia

Os 47 nomes foram descobertos com base em uma combinação de fontes, incluindo registros públicos de Cortes da Grã-Bretanha e do exterior, e pesquisas e contatos mantidos pela BBC. A pesquisa apontou que 32 britânicos estão lutando ao lado das guerrilhas do Al Shabab. Outras sete pessoas tentaram entrar na Somália, mas tiveram os planos descobertos pela polícia antes de rumar para o país africano. As autoridades acreditam que outras sete pessoas da lista voltaram para a Grã-Bretanha, enquanto alguns cidadãos citados foram processados ou condenados por arrecadar dinheiro para o Al Shabab ou facilitar a viagem de outros terroristas.

Segundo a BBC, quatro britânicos morreram, e a localização da maioria é desconhecida. Um dos indivíduos mortos foi filmado em um vídeo divulgado pelo grupo radical na última semana. O jovem Taufail Ahmed, cuja família é proveniente de Bangladesh, morreu em novembro de 2012 durante uma ofensiva de forças militares dos Estados Unidos e Grã-Bretanha, segundo o Al Shabab.

Saiba mais:

Ataque a shopping no Quênia liga alerta para ‘terrorista ocidental’

Colegas que conviveram com Ahmed na escola disseram que o jovem se envolveu com o crime organizado antes de se envolver com o fundamentalista islâmico. No vídeo divulgado pelo Al Shabab, ele aparece convocando muçulmanos que moram ao leste da cidade de Londres para aderir ao grupo terrorista. A família do jovem foi informada de que ele teve um funeral muçulmano.

Outros casos – A divulgação de britânicos envolvidos com o Al Shabab vem à tona após as autoridades lançarem uma investigação para apurar a participação de Hassan Abdi Dhuhulow, um cidadão norueguês de 23 anos, no ataque ao shopping Westgate. A Interpol também emitiu um alerta de captura contra a britânica Samantha Lewthwaite, apelidada de “viúva branca”. Segundo as autoridades, Samantha, de 29 anos, é suspeita de envolvimento com o grupo Al Shabab. Ela foi casada com Germaine Lindsay, um dos terroristas suicidas que perpetraram os atentados a Londres em 2005, que resultaram na morte de 52 pessoas.

O Al Shabab surgiu em 2006 como um braço armado de tribunais da sharia, a lei islâmica, na Somália. No ano passado, o líder do grupo declarou fidelidade à Al Qaeda. A maioria dos membros estrangeiros do grupo vem do Paquistão, Afeganistão, Sudão e Iêmen, mas é cada vez maior a presença de ocidentais.