Clique e assine com até 92% de desconto

Anúncios que “impõem padrões de beleza” serão proibidos no transporte de Londres

A medida faz parte das propostas da campanha eleitoral do prefeito recém-eleito Sadiq Khan

Por Da Redação 14 jun 2016, 14h50

Propagandas que “promovem padrões de beleza irreais” serão banidas dos meios de transporte de Londres a partir do próximo mês. A medida faz parte das propostas defendidas pelo novo prefeito londrino, Sadiq Khan durante sua campanha. “Como pai de duas adolescentes, eu fico extremamente preocupado com esse tipo de anúncio que pode humilhar as pessoas, principalmente as mulheres, e fazê-las terem vergonha de seu próprio corpo. Já está na hora disso acabar”, afirmou Khan, que foi eleito em maio, em um comunicado oficial. “Ninguém deve se sentir pressionado, enquanto viaja de metrô ou ônibus, a seguir expectativas irreais sobre seus corpos. Eu quero mandar uma mensagem clara para a indústria da publicidade sobre isso”, completou.

Leia também:

Aumenta apoio dos britânicos à saída da União Europeia

Megainvestidor Soros alerta para “colapso” da UE caso britânicos deixem o bloco

Campanha pela saída britânica da UE abre vantagem de mais de 4 pontos nas pesquisas

A decisão foi tomada após, no ano passado, um anúncio de uma loja de suplementos de proteína ter motivado 378 reclamações oficiais ao órgão regulador de propaganda inglês, o Advertising Standards Authority (ASA). A agência recebeu uma petição com mais de 70.000 assinaturas contra o conteúdo da propaganda, que exibia a foto de uma mulher de biquíni ao lado da frase: “O seu corpo está pronto para a praia?”. No entanto, o anúncio não foi tirado de circulação.

Khan também solicitou ao órgão que cuida dos transportes públicos londrinos, o Transport for London (TfL), que crie seu próprio grupo de monitoramento em parceira com suas próprias agências de publicidade, para rever e acompanhar o cumprimento das novas regras. “Os anúncios em nossa rede de transportes são diferentes daqueles veiculados na mídia impressa, on-line ou na TV. Nossos clientes não podem simplesmente desligar ou virar a página, se um anúncio publicitário os ofende. Temos o dever de assegurar que isso não aconteça mais”, afirmou o diretor de desenvolvimento da TfL, Graeme Craig.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade