Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Anúncio de nova ofensiva em Gaza deixa Netanyahu mais isolado que nunca

A solitária posição do primeiro-ministro é amplificada por ação dos Estados Unidos, parceiro incondicional de Israel

Por Ernesto Neves Atualizado em 3 jun 2024, 16h48 - Publicado em 18 Maio 2024, 08h00

Poucas datas despertam tanto patriotismo em Israel quanto o Dia da Memória, em 13 de maio, dedicado aos soldados abatidos nos campos de batalha desde a fundação do país, em 1948. Neste ano, o feriado de natureza pacífica se converteu em mais um daqueles turbulentos episódios em que uma fatia da população, farta da sangrenta guerra de oito meses contra o Hamas, expôs sem filtros sua indignação — tudo sob os holofotes globais que vêm lançando luz sobre as rachaduras deixadas pelo conflito. No Monte Herzl, famoso cemitério de Jerusalém, parentes de jovens recrutas e de sequestrados pelo grupo terrorista, que no fatídico 7 de outubro capitaneou os bárbaros ataques produzindo mortes em série, agitavam raivosas bandeiras contra o ultradesgastado primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em quem já não confiam para trazer os reféns de volta. “Você levou meus filhos. Seu lixo!”, gritava a multidão, dando contornos ao isolamento sem precedentes do premiê, dentro e fora do país.

O grande combustível para a insatisfação de uma ala crescente dos israelenses e da banda do Ocidente que historicamente apoia Israel é a inexistência de um horizonte para o desfecho do conflito, que Netanyahu estica sob justificativas que não convencem quase ninguém. Agarrado ao poder por dezesseis anos, agora à frente de uma coalizão de extrema direita, ele antecipou o avanço militar contra Rafah, na porção sul de Gaza, sem dar ouvidos à comunidade internacional, preocupada com as baixas humanas que se acumulam e pelo cenário de terra devastada no enclave, onde milhares passam fome. Para Netanyahu, Rafah representaria o derradeiro refúgio do Hamas, daí ser peça central — o que os analistas refutam, sob o razoável argumento de que eles vêm se reorganizando em outras partes. Para os observadores, o objetivo do governo de plantão é prolongar a guerra, da qual depende sua própria sobrevivência política.

“LIXO!” - Manifestação em Tel Aviv: população vai às ruas contra o governo
“LIXO!” - Manifestação em Tel Aviv: população vai às ruas contra o governo (Amir Levy/Getty Images)

A solitária posição de Netanyahu foi amplificada com tintas como nunca antes, depois que os Estados Unidos, parceiro incondicional de Israel, tomou uma medida de envergadura no intrincado tabuleiro geopolítico: suspendeu o envio de 3 500 bombas a Tel Aviv, algo que só encontra paralelo na decisão de Ronald Reagan de cortar o fornecimento de aviões militares aos israelenses, quatro décadas atrás, em resposta à invasão ao Líbano. “Civis têm sido mortos em Gaza como consequência dessas bombas”, disse o presidente Joe Biden, reforçando que não pretende contribuir com o drama que ganha escala em Rafah, de onde mais de 450 000 civis debandaram para escapar do iminente ataque. E Biden foi além, pondo ainda à mesa a possibilidade de frear outras remessas de armamentos ao aliado com quem já disse manter “elo sólido como uma rocha”. “O afastamento dos Estados Unidos representa um grave problema para a segurança de Israel”, afirma Chuck Freilich, do Instituto de Estudos de Segurança Nacional da Universidade de Tel Aviv.

A jogada americana precisa ser vista sob a perspectiva das complexas circunstâncias de hoje. Em meio a uma disputa eleitoral acirrada contra Donald Trump, Biden teme que, no polarizado cenário, um apoio sem ressalvas a Israel, rechaçado por um naco da população americana (sobretudo entre os mais jovens), acabe lhe custando caro. As manifestações pró-Palestina, que saltaram das prestigiadas universidades nos Estados Unidos para outros países, são um sinal da delicadeza da linha sobre a qual caminha o atual ocupante do Salão Oval. Sob pressão, a Casa Branca soltou um relatório enfatizando ser necessário investigar se os armamentos mandados para Netanyahu “foram usados pelas forças israelenses de forma inconsistente com suas obrigações perante a lei humanitária internacional”. Diante de tão numerosos recados, o mandachuva israelense disparou: “Se tivermos de ficar sozinhos, ficaremos”, postou em suas redes sociais, ciente de que o teatro da guerra exige frases de efeito. Na prática, Washington segue irrigando com vultosas cifras os cofres do pequeno país — acaba, inclusive, de anunciar 1 bilhão de dólares extras a Israel, que se somam aos 15 bilhões recém-aprovados pelo Congresso americano.

Continua após a publicidade
ÊXODO - Palestinos deixam Rafah: fuga de um iminente ataque
ÊXODO - Palestinos deixam Rafah: fuga de um iminente ataque (Majdi Fathi/NurPhoto/Getty Images)

Enquanto Tel Aviv avisa estar na fase final dos preparativos para a grande ofensiva em Rafah, as costuras diplomáticas para um cessar-fogo continuam travadas. Depois de tantas idas e vindas, funcionários do governo israelense deixaram vazar o receio de que o Egito, mediador das negociações de paz, abandone a missão. Os dois países vêm se acusando mutuamente de represar a ajuda humanitária a Gaza. Em gesto simbólico, os egípcios afirmaram ainda se juntar à África do Sul no processo que acusa Israel de genocídio, no Tribunal Penal Internacional. Enquanto isso, a paz se distancia, de modo inapelável. “Nas últimas semanas, nem Israel nem o Hamas demonstraram qualquer vontade de chegar a uma solução”, diz Gershon Baskin, diretor para o Oriente Médio da International Communities Organisation. E assim, apostando na guerra, Netanyahu se isola à sombra da irracionalidade.

Publicado em VEJA de 17 de maio de 2024, edição nº 2893

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.