Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Anistia Internacional denuncia aumento das execuções por narcotráfico no Irã

(Embargada até as 22h01 de Brasília).

Londres, 15 dez (EFE).- A Anistia Internacional (AI) denunciou nesta quarta-feira o ‘espetacular’ aumento no Irã das execuções a pessoas condenadas por delitos relacionados com as drogas.

Em seu relatório ‘Viciados na Morte’, a organização humanitária revela que pelo menos 488 pessoas foram executadas por supostos delitos de narcotráfico neste ano, quase o triplo de 2009, quando a AI contabilizou 166 execuções por casos similares.

A Anistia contabilizou em 2011 um total de 600 execuções na república islâmica, através de fontes oficiais e próprias, das quais os delitos relacionados com as drogas representaram 81% do total.

‘Tentando conter seu imenso problema com as drogas, as autoridades iranianas realizaram uma onda de execuções de proporções apavorantes quando não há provas que isto previna o tráfico de maneira mais eficaz que o encarceramento’, afirmou Ann Harrison, diretora interina para o Oriente Médio e Norte da África da AI.

A organização considera que o Irã deve abolir a pena de morte em todos os casos, mas acabar com a execução de criminosos vinculados com as drogas, algo que viola as leis internacionais, deveria ser o primeiro passo.

As autoridades iranianas reconheceram oficialmente um total de 253 execuções, das quais 172 estavam relacionadas com as drogas, quase 68% do total.

No entanto, a AI garante que recebeu informações críveis sobre mais de 300 execuções, a maioria delas por delitos relacionados com o narcotráfico.

Em quase todos os casos, denuncia a organização, os condenados a morte tiveram julgamentos injustos e as famílias e os advogados receberam pouca ou nenhuma informação sobre onde aconteceram as execuções.

O Irã tem a quarta taxa mais alta do mundo em óbitos por consumo de drogas, com 91 mortes para cada milhão de habitantes entre 16 e 64 anos, e é uma das maiores rotas do narcotráfico internacional. EFE

raa/rsd