Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Americana sequestrada pelo EI foi repetidas vezes estuprada pelo líder do grupo

A agente humanitária Kayla Muller morreu no cativeiro, em fevereiro deste ano

A agente humanitária americana Kayla Mueller, sequestrada e morta pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI), foi repetidas vezes estuprada pelo líder do grupo, Abu Bakr al-Baghdadi. Kayla foi refém de Baghdadi e sua mulher, Umm Sayyaf, e considerada ‘esposa’ do chefe extremista. A informação, divulgada pelo jornal britânico The Independent, foi confirmada por um oficial americano que não quis ser identificado.

A morte de Kayla foi anunciada em fevereiro. Na época, os terroristas do EI alegaram que ataques aéreos realizados pela Jordânia na Síria mataram a refém, mas militares dos EUA constestaram a versão. Sua morte pode ter sido um ato de retaliação depois de a Jordânia ter matado um prisioneiro membro do grupo.

A mulher de 26 anos trabalhava com grupos humanitários na Síria. Ela desapareceu em agosto de 2013 ao viajar para Aleppo, na Síria, com o namorado sírio. Amigos receberam um vídeo meses depois do desaparecimento, no qual ela aparecia vestindo um hijab (véu islâmico) e implorando por sua vida.

Leia também:

Estado Islâmico vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

(Da redação)