Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Aliado de Cristina Kirchner perde na eleição de Buenos Aires

Em terceiro lugar na disputa, Mariano Recalde ficou fora do 2º turno. O opositor Rodríguez Larreta teve 45% dos votos e vai enfrentar o ex-ministro Martín Lousteau, que teve 25%

Por Da Redação 6 jul 2015, 04h25

O candidato apoiado pela presidente argentina Cristina Kirchner foi derrotado neste domingo na eleição para prefeito de Buenos Aires – que continuará sendo um reduto da oposição. Mariano Recalde, do governista Frente Para a Vitória, não era favorito diante do opositor Horacio Rodríguez Larreta, do conservador Proposta Republicana (Pro), mas esperava ir para o segundo turno. Não conseguiu. Recalde teve 21,8% dos votos e ficou em terceiro lugar na disputa. Larreta obteve 45,5% dos votos e vai disputar o segundo turno contra Martín Lousteau, que teve 25,6%. Ex-ministro da Economia, Lousteau rompeu com o governo em 2008 e é o candidato da frente de centro-esquerda Eco. O segundo turno acontece em 19 de julho.

LEIA TAMBÉM:

Como pensa Mauricio Macri, o favorito para a Casa Rosada

Daniel Scioli será o candidato governista à Presidência da Argentina

Apoiado por Mauricio Macri, atual prefeito da capital argentina e principal candidato da oposição nas eleições presidenciais de outubro, Larreta agradeceu os votos que recebeu em um discurso no comitê no Pro. “É um grande orgulho que tanta gente apoie o nosso trabalho”, disse ele. O candidato à prefeitura de Buenos Aires também aproveitou para fazer campanha para o seu aliado. “Todos sabem quem vai ser o próximo presidente”, afirmou, ao lado de Macri.

Em seu próprio centro de campanha, Lousteau também festejou o resultado e confirmou que não desistirá de concorrer no segundo turno. A imprensa argentina e analistas políticos cogitaram que o candidato pudesse abrir mão da disputa já que os dois partidos são aliados nas eleições presidenciais. “Hoje os portenhos decidiram que haverá segundo turno. Obrigado a todos. Com o segundo turno, todos ganham”, afirmou o candidato do Eco, que pediu um debate com Rodríguez Larreta.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade