Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alemanha recebeu quase 450.000 refugiados desde janeiro

Para o vice-chanceler alemão Sigmar Gabriel, o plano europeu para acolher 160.000 refugiados é 'apenas um primeiro passo' ou 'uma gota de água no oceano'

Quase 450.000 refugiados foram registrados na Alemanha no decorrer deste ano de 2015, sendo mais de 30.000 na primeira semana de setembro, afirmou nesta quinta-feira o vice-chanceler do país, Sigmar Gabriel, no Parlamento. “Em agosto foram 105.000 e nos oito primeiros dias de setembro 37.000. Talvez passe de 100.000 em setembro”, completou. “Isto mostra, francamente, que a distribuição de 160.000 refugiados na Europa é apenas um primeiro passo, para falar de forma suave. Também podemos dizer: uma gota de água no oceano”.

A Alemanha espera receber 800.000 solicitantes de asilo em 2015, um número quatro vezes maior que o do ano anterior e uma cifra recorde na Europa. A Comissão Europeia propôs nesta quarta um plano para distribuir 160.000 pessoas pelo bloco, mas Berlim pede um sistema de cotas sem limites para colocar os refugiados nos países da UE, enfrentando assim a mais grave crise migratória em sete décadas. O sistema de distribuição é criticado por vários países europeus.

Leia também

EUA se comprometem a receber mais refugiados sírios

Comissão Europeia quer redistribuir 160 mil imigrantes entre países da UE

Vídeo: Jornalista húngara dá rasteira em refugiados que tentam entrar na Hungria

Áustria – Cientes da disposição alemã em receber refugiados, mais de 3.000 pessoas cruzaram a pé durante a madrugada passada da Hungria para a Áustria, onde são atendidos enquanto a maioria espera poder continuar sua viagem rumo à Alemanha. A nova onda de entradas levou ao limite a capacidade dos serviços de emergência prestados pela Cruz Vermelha, pelo Exército austríaco e por voluntários.

Só entre a meia-noite e às 3h (horário local), mais de 1.700 pessoas cruzaram a fronteira. Os refugiados chegaram de trem até a cidade húngara de Hegyeshalom e dali caminharam a pé até o povoado de Nickelsdorf, já em solo austríaco. Alguns dos refugiados, que chegaram esgotados, foram hospedados em centros preparados para atendê-los e foi-lhes pedido paciência enquanto se organiza seu transporte rumo a Viena.

Em VEJA: Aylan morreu sem conhecer a paz

(Da redação)