Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Burca deve ser banida na Alemanha, defende Angela Merkel

O ministro do Interior e a chanceler Angela Merkel defenderam a proibição parcial da burca, especialmente em serviços públicos e instituições de ensino

Por Da redação Atualizado em 19 ago 2016, 10h46 - Publicado em 19 ago 2016, 10h43

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, afirmou nesta sexta-feira que apoia a proibição parcial da burca no país, em um esforço conjunto de conservadores aliados da chanceler Angela Merkel. O véu usado por algumas mulheres muçulmanas, que cobre o corpo e o rosto completamente, está no centro de debates na Alemanha, após dois ataques terroristas em julho e antes de importantes eleições regionais.

Tanto De Maizière quanto Merkel reiteraram nos últimos dias que o véu integral não é um problema de segurança, mas uma barreira para a integração. “Do meu ponto de vista, uma mulher com véu integral não tem quase nenhuma oportunidade de se integrar”, disse Merkel em uma entrevista publicada hoje em um jornal regional. Já o ministro sustentou que um véu inteiro não é compatível com “uma sociedade cosmopolita”.

“Estamos de acordo em rejeitar a burca, também queremos introduzir legalmente a obrigação de mostrar o rosto onde for necessário para nossa sociedade: ao volante, nas escolas e nas universidades, nos serviços públicos e ante os tribunais”, afirmou o ministro do Interior em declarações à emissora ZDF. “Queremos mostrar nossos rostos uns aos outros e esta é a razão pela qual concordamos em rejeitar isso, agora a questão é como traduzimos em uma lei”, comentou.

Leia também:
Vice-chanceler alemão faz gesto obsceno para neonazistas
Alemanha cogita retirar cidadania alemã de extremistas
Popularidade de Merkel despenca após ataques na Alemanha

Enquanto De Maizière defende uma proibição do traje apenas em situações onde considera essencial mostrar o rosto, setores mais duros do partido Merkel, a União Democrata Cristã, desejam banir totalmente a burca. Para o ministro, a proibição parcial ganharia maior apoio no Parlamento, que na semana passada havia dito que uma proibição total do véu seria inconstitucional.

Ainda não há um calendário estabelecido para introduzir a medida, que foi defendida há tempos pelos conservadores, mas que ainda não conta com a adesão dos sociais-democratas (SPD), sócios de Merkel no governo. “Vamos etapa por etapa, mas acredito que muitas coisas podem ser aprovadas”, disse De Maizière.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade