Clique e assine a partir de 8,90/mês

Alemanha produz cartilha de normas de comportamento na piscina após abusos sexuais de mulheres por imigrantes

Os homens foram advertidos a não tocar as mulheres e não usarem roupas íntimas na piscina

Por Da Redação - 7 fev 2016, 07h47

As autoridades alemãs produziram uma cartilha de normas de comportamento na piscina após relatos de que dezenas de mulheres foram assediadas por imigrantes. As ilustrações, acompanhadas de legendas em alemão, inglês e árabe, advertem os homens a não tocar nas mulheres ou entrar na piscina em suas roupas íntimas em vez de calções de banho.

O folheto foi produzido pelos serviços públicos de Munique, em cooperação com o Centro de Cooperação Intercultural da Cidade de Munique. As normas não citam especificamente os imigrantes, mas sua emissão aconteceu duas semanas depois de várias mulheres relatarem terem sido tocadas por imigrantes nas piscinas alemãs.

Leia também:

Agressões sexuais e roubos em série no réveillon chocam a Alemanha

Alemanha informa que há imigrantes entre os agressores sexuais de Colônia

Neonazistas patrulham ruas para prevenir ataques de refugiados na Finlândia

A cidade de Bornheim, na região oeste do país, proibiu a entrada de imigrantes solicitantes de asilo na piscina municipal depois que banhistas e trabalhadoras da instalação pública se queixaram do assédio. Segundo Markus Schnapka, responsável de Assuntos Sociais da cidade de cerca de 47.000 habitantes, nenhuma das queixas de assédio levou a acusações formais e a proibição será suspensa assim que os assistentes sociais locais confirmarem que os imigrantes entenderam a mensagem.

Este é o mais recente sinal das tensões sociais causadas pela chegada de mais de 1,1 milhão de imigrantes na Alemanha no ano passado. Na noite de Ano Novo, dezenas de agressões sexuais cometidas por imigrantes contra mulheres foram registradas na cidade de Colônia. A violência em grupo contra mulheres provocou a indignação da população, que em sua maioria havia recebido com generosidade os refugiados. Muitos alemães trabalham como voluntários nos abrigos para imigrantes.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade