Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Alemanha irá converter aeroporto em centro de vacinação contra Covid-19

Apesar da operação em larga escala em todo o país, imunização não será obrigatória, segundo Ministério da Saúde

Por Da Redação Atualizado em 27 nov 2020, 12h51 - Publicado em 27 nov 2020, 12h41

A Alemanha prepara o aeroporto de Tegel, em Berlim, para se tornar um dos primeiros centros de vacinação contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021, informou nesta sexta-feira, 27, o Ministério da Saúde alemão. Também nesta sexta, o país ultrapassou a marca de um milhão de casos confirmados da doença.

O terminal C do aeroporto, fechado no início de novembro, será convertido em zona de vacinação até meados de dezembro. O governo espera dispor da vacina no primeiro trimestre de 2021 e se prepara para uma operação de larga escala para implantar centenas de centros similares em todo o país, além de unidades móveis.

Em Tegel, “temos que vacinar entre 3.000 e 4.000 pessoas por dia”, explicou Albrecht Broemme, secretário responsável pela implementação das infraestruturas.

Berlim também selecionou para o plano outro antigo aeroporto, o de Tempelhof, que virou um abrigo para solicitantes a asilo durante um ponto alto da crise de refugiados no continente. Com seis centros para a capital, a prefeitura espera vacinar 20.000 pessoas por dia, de acordo com a secretária de Saúde de Berlim, Dilek Kalayci.

“Será um desafio imenso”, admite. As prioridades serão reservadas para idosos e pessoas mais expostas ao vírus, como profissionais de saúde. Os centros de vacinação ficarão abertos de 9h às 19h, inclusive nos fins de semana.

Continua após a publicidade

Para a operação, serviços de saúde locais estão contratando funcionários, que incluem médicos, profissionais de vacinação, trabalhadores de logística e segurança. O país, com uma escassez de profissionais da saúde, terá que recorrer a enfermeiras aposentadas, estudantes de Medicina, auxiliares de voo sem emprego, entre outros.

Apesar da operação em larga escala e do planejamento, a vacinação não será obrigatória, afirmou o Ministério da Saúde.

No total, o país somava até esta sexta-feira 1.006.394 casos confirmados, incluindo 15.586 mortes.

A Alemanha, considerada um dos modelos na Europa por sua gestão da pandemia, ainda mostra cautela. O país vai prolongar até o início de janeiro as restrições decretadas para lutar contra a Covid-19, como o fechamento de bares e restaurantes e a limitação de participantes em reuniões privadas.

“Ainda temos que fazer esforços (…) o número diário de infecções ainda é muito alto”, afirmou a chanceler Angela Merkel durante a semana.

Continua após a publicidade
Publicidade