Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Alemanha inicia vacinação contra a Covid-19 em 27 de dezembro

Nesta quarta-feira, o país registra o número recorde de 952 mortos pelo coronavírus no mesmo dia que começa um novo e restrito lockdown

Por Da Redação Atualizado em 5 jan 2021, 15h27 - Publicado em 16 dez 2020, 18h51

A Alemanha anunciou nesta quarta-feira, 16, que vai iniciar sua campanha de vacinação contra a Covid-19 no dia 27 de dezembro. Autoridades sanitárias indicaram que o primeiro grupo a ser imunizado será o de moradores de casas de repouso, com a candidata da americana Pfizer e da alemã BioNTech.

“O ministro federal da Saúde, Jens Spahn, informou a Conferência de Ministros da Saúde regionais sobre a aprovação e distribuição da vacina da BioNTech. O início da vacinação contra a Covid-19 foi marcado para 27 de dezembro”, indica um comunicado divulgado pela conferência.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que a Alemanha registrou o maior número de mortes diárias devido ao novo coronavírus desde o início da pandemia. Também nesta quarta-feira, o país iniciou um novo lockdown na tentativa de reduzir as infecções. Ao todo, 952 pessoas morreram da doença nas últimas 24 horas – mais de 300 acima do último recorde, no dia 11 de dezembro.

O país também registrou 27.728 novos casos confirmados, segundo o instituto alemão de vigilância epidemiológica Robert Koch. É o maior registro desde a última sexta-feira, quando o país teve o recorde de quase 30.000 infecções.

Além disso, 83% dos leitos de reanimação nas UTIs do país estão ocupados, segundo a Federação de Medicina Intensiva (Divi). Atualmente, há cerca de 5.000 leitos de terapia intensiva disponíveis, 4.000 a menos que em meados de outubro. Na capital Berlim, a taxa de ocupação dos serviços que atendem os casos mais graves de Covid-19 já supera 88%.

O cenário preocupante contrasta com a reação da Alemanha à pandemia no primeiro semestre, quando a comunidade internacional não poupou elogios à nação e à sua líder, Angela Merkel.

No último fim de semana, a chanceler disse que as “restrições light” impostas no início de novembro, que fecharam bares, restaurantes e centros de lazer não foram suficientes para controlar a pandemia. Merkel anunciou que, a partir desta quarta-feira, as escolas e lojas não essenciais serão fechadas e o trabalho remoto passa a ser obrigatório (na medida do possível).

Continua após a publicidade

As festas de fim de ano também serão duramente atingidas. Reuniões em ambientes privados devem ser limitadas a encontros de no máximo cinco pessoas de duas casas diferentes – com quatro membros extra da família imediata permitidos no Natal. Alguns estados alemães também implementaram toques de recolher à noite e proibiram a circulação de pessoas por razões não essenciais.

No Ano Novo, não serão permitidas aglomerações nas ruas e a venda de fogos de artifício está proibida.

Como membro da União Europeia, a Alemanha precisa aguardar que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprove a vacina contra Covid-19 para administrá-la aos cidadãos. A previsão é que o anúncio da agência seja feito em 21 de dezembro.

“A vacina nos ajudará, mas a evolução da pandemia continua sendo imprevisível”, disse Merkel, que pressiona a EMA para uma aprovação mais rápida.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, havia afirmado hoje que os 27 membros do bloco começarão suas campanhas de vacinação no mesmo dia.

“Começaremos assim que possível a vacinação, todos juntos, os 27, no mesmo dia, da mesma maneira que enfrentamos esta pandemia”, disse a alemã em discurso no Parlamento Europeu. “Para controlar a pandemia, precisaremos vacinar até 70% da população. Esta é uma tarefa enorme”, destacou.

 

Continua após a publicidade
Publicidade