Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Alemã é libertada de cativeiro na Bósnia após 8 anos

Jovem de 19 anos era torturada e mantida em condições desumanas, segundo a polícia. Casal suspeito de maus-tratos foi preso

Por Da Redação - 27 maio 2012, 14h37

A polícia libertou uma jovem alemã mantida em cativeiro por um casal em um povoado do noroeste da Bósnia, por oito anos, em condições tidas como “desumanas”. A operação, que ocorreu no dia 17 de maio no povoado de Karavlasi, na região de Tuzla, foi anunciada neste domingo por autoridades bósnias.

Segundo informações da rede de televisão pública (FTV), a polícia agiu após ter sido alertada por um vizinho que testemunhou a situação da jovem, agora com 19 anos, e o suposto tratamento desumano infligido a ela pelo casal Milenko e Slavojka Marinkovic, que foi detido. Admir Arnautovic, porta-voz da polícia, afirmou que o casal a mantinha trancada, não permitia que entrasse em contato com outras pessoas, nem fosse ao colégio. Ela também teria passado fome durante anos e sido obrigada a realizar trabalhos pesados. “Eles a infligiram um trato desumano e a torturaram”, disse Arnautovic.

Moradores da localidade vizinha de Gojcin relataram ao jornal local Dnevni Avaz ter ouvido “gritos e choros” da jovem, que supostamente teria sido vítima de agressões sexuais por parte de amigos da família Marinjovic que iam à casa. A mulher, que não teve a identidade revelada, é tratada por médicos. Ainda não se sabe como a jovem chegou à Bósnia. Mas, segundo a imprensa local, ela teria ido ao país com sua mãe, que teria sido casada com Milenko Marinkovic.

(Com informações da AFP)

Publicidade