Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Além do TikTok, Índia bane mais de 100 aplicativos chineses em um mês

Crise diplomática entre os dois países se agrava desde conflito na fronteira entre os dois países em que 20 soldados indianos morreram

Por Da Redação Atualizado em 28 jul 2020, 15h41 - Publicado em 28 jul 2020, 15h32

O governo da Índia anunciou nesta terça-feira, 28, que baniu 47 aplicativos feitos por empresas chinesas. No total, as autoridades indianas bloquearam mais de 100 apps chineses, entre eles o TikTok, em um intervalo de 30 dias, agravando a crise diplomática dos últimos três meses entre os dois países.

Segundo o Ministério da Eletrônica e Tecnologia da Informação, os aplicativos banidos nesta terça-feira são cópias ou variações dos 59 apps que haviam sido originalmente bloqueados na Índia no final de junho.

Além do TikTok, que foi banido no final de junho, outros grandes aplicativos chineses estão na lista de proibidos, como o app de troca de mensagens WeChat e o serviço de localização Baidu Maps.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

“Embora os aplicativos recém-banidos sejam clones de outros anteriormente proibidos, acredito que essa decisão sinaliza uma forte intenção do governo indiano na privacidade de dados”, disse Tarun Pathak, diretor associado do instituto de análise de mercado Counterpoint Research, à emissora americana CNN.

Continua após a publicidade

No final de junho, durante a primeira leva de banimentos, o Ministério da Eletrônica e Tecnologia da Informação havia afirmado que esses aplicativos chineses listados eram “prejudiciais à soberania, integridade e defesa da Índia, segurança do Estado e ordem pública”.

O jornal indiano The Economic Times relatou nesta terça-feira que o governo indiano ainda avalia a situação de outros 275 aplicativos chineses, dentre eles o AliExpress, plataforma de compras da multinacional do e-commerce Alibaba.

Do lado chinês, no início desta semana, a empresa de tecnologia Huawei cortou em 50% suas expectativas de lucro na Índia e demitiu mais da metade de seus funcionários no país.

A Índia e a China passam por uma crise diplomática desde o início de maio, após militares de ambos os lados entrarem em confronto na fronteira entre os dois países. Vinte soldados indianos morreram no embate.

Diferentemente dos Estados Unidos, do Reino Unido e de diversos outros países no Ocidente, a Índia ainda não baniu a tecnologia 5G da Huawei.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês