Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Al Qaeda e Estado Islâmico avançam na Síria

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, 54 combatentes do regime sírio morreram em intensos combates travados contra o EI na quarta-feira

O Exército da Síria continua enfrentando grandes dificuldades para evitar o avanço dos grupos Al Qaeda e Estado Islâmico em território sírio. O exército informou que pelo menos 54 combatentes morreram em intensos choques travados contra o EI nesta quarta-feira no noroeste e no leste do país. A Frente al-Nusra e outros grupos radicais islâmicos ligados à Al Qaeda tomaram o aeroporto de Abu Duhur, na província de Idlib, no noroeste do país.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), o Estado Islâmico também se aproxima do aeroporto militar da cidade de Deir Ezzor (leste). O EI já controla alguns setores dessa localidade. “Trata-se de um dos ataques mais violentos lançados pelo EI contra o aeroporto. Dezoito soldados morreram, assim como 36 membros do EI”, afirmou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Leia também:

Extremistas islâmicos tentam recrutar refugiados sírios na Alemanha

Revista do Estado Islâmico traz anúncios de venda de reféns

Estado Islâmico toma último campo de petróleo do governo da Síria

Os jihadistas cometeram dois atentados suicidas com carro-bomba e, segundo Abdel Rahman, um deles foi lançado por um garoto. Rica em petróleo, a província de Deir Ezzor, na fronteira com o Iraque, está em grande parte nas mãos do EI. Há um ano o grupo tenta assumir o controle do aeroporto. Se conseguir, Deir Ezzor pode se tornar a segunda capital da província a cair nas mãos do EI, depois de Raqa, designada “capital” do califado.

Também segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, a al-Nusra e seus aliados conseguiram tomar o aeroporto de Abu Duhur após cercarem as instalações por dois anos. Eles já haviam invadido a capital da província, Idlib, no final de março. “Foram 56 mortos ontem e pelo menos 40 presos e dezenas de desaparecidos”, disse Abdel Rahman, do OSDH, nesta quinta-feira. “Alguns soldados foram executados”, afirmou.

Iniciado em março de 2011, o conflito na Síria deixou 250.000 mortos. Atualmente, mais de 4 milhões de refugiados sírios vivem nos países vizinhos ou tentam chegar à Europa.

(Com agência France Presse)