Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ahmadinejad: Irã está tão avançado em aviões espiões quanto EUA

Por Da Redação 13 dez 2011, 08h50

Caracas, 12 dez (EFE).- O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, assegurou nesta terça-feira que a tecnologia de seu país é tão avançada quanto a dos americanos em matéria de aviões espiões, apenas uma semana depois de seu país ter capturado uma moderna aeronave não tripulada em seu território.

‘O sistema do Irã é tão avançado como o deste avião. Nós também tivemos muitos avanços, muitos progressos’, indicou Ahmadinejad em uma entrevista à emissora estatal ‘Venezolana de Televisión’.

O líder iraniano fez esses comentários após a captura, no último dia 4, de um avião não-tripulado RQ-170 Sentinel, um dos mais modernos que existem e que segundo Teerã foi localizado sobre seu território.

A versão americana indica que o avião espião realizava uma missão no oeste do Afeganistão quando se perdeu e, possivelmente por uma falha técnica, foi parar no Irã.

O presidente iraniano voltou a rejeitar as acusações sobre os supostos planos de seu Governo de criar uma bomba atômica e disse que o relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) publicado no início de novembro, no qual indica que o Irã é capaz de construir uma arma nuclear, é ‘muito político, sem nenhuma prova nem evidência’.

Ahmadinejad também rejeitou as acusações de terrorismo contra seu país, e acusou Israel de estar por trás essas versões.

O presidente iraniano aproveitou para acusar os Estados Unidos de terem exacerbado o terrorismo na região e assinalou que ‘desde o dia em que entraram nesta zona o volume das operações terroristas multiplicaram por 100’.

Sobre a situação na Síria, Ahmadinejad acusou o ‘regime sionista’ e os Estados Unidos de ‘criarem conflitos e guerras civis, além de imporem pressões externas’ para não permitir que o povo e o Governo desse país ‘resolvam seus problemas juntos’.

‘Todo seu objetivo é dominar esta região’, indicou, ao apontar que ‘existem muitos movimentos de mudança nos países da região, e os EUA estão se esforçando muito para movimentá-las em prol de seus interesses’. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade