Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Agora, Correa diz que mantinha vínculo com as Farc para libertar Ingrid Betancourt

Depois de negar as acusações da Colômbia de que seu governo mantinha relações com as Farc, o presidente do Equador Rafael Correa admitiu o vínculo na noite desta segunda-feira. Porém, disse que a ligação tinha um propósito: negociar a libertação dos reféns políticos que os terroristas mantêm em seu poder. Apelando para o caso de maior destaque internacional, Correa saiu-se com a seguinte declaração: “Lamento comunicar-lhes que as conversas estavam bastante avançadas para libertar 12 reféns, entre eles Ingrid Betancourt”, a ex-candidata presidencial colombiana de ascendência francesa, cujo seqüestro é, há muito, o mais noticiado ao redor do mundo.

“Tudo foi frustrado pelas mãos belicistas e autoritárias”, disse em seguida, em referência à operação colombiana que no sábado matou o número dois das Farc, Raúl Reyes, em território equatoriano.

O governo de Correa passou boa parte da segunda-feira negando que tivesse qualquer relação com as Farc. O fez inclusive no comunicado oficial em que rompeu relações diplomáticas com Bogotá, onde se lê que Quito “rejeita energicamente” as acusações de vínculo com terroristas.

Virada – À tarde, com a divulgação de documentos aprendidos pelos militares colombianos que comprovariam tal ligação, o Equador mudou de posição. O ministro equatoriano da Segurança, Gustavo Larrea, admitiu que manteve contato com Raúl Reyes “por razões humanitárias”, ou seja, negociar a libertação de reféns.

Para despistar, Larrea explicou que o governo colombiano fora avisado de tais contatos. Bogotá imediatamente negou, segundo o jornal colombiano El Tiempo. Disse que havia sim um compromisso de Correa com o presidente da Colômbia Álvaro Uribe de não fazer nada relacionado às Farc sem o consentimento da Colômbia. De acordo com Bogotá, este, obviamente, não foi o caso.

À favor da Colômbia e de Uribe, depõe o seguinte fato: nem o ditador venezuelano Hugo Chávez, inimigo declarado do presidente colombiano, negociou a libertação de reféns das Farc às escuras. As seis libertações das últimas semanas, todas supostamente facilitadas por Chávez, foram negociadas com o conhecimento de Uribe. As explicações de Correa sobre seu vínculo com os terroristas não convencem.